Tamanho do texto

Aline Rocha e Cristian Ribera, do esqui cross-country, e André Cintra, do snowboard, serão os representantes do país em Pyeongchang, na Coreia do Sul. Competição terá disputas de 9 a 18 de março

Pela segunda vez na história, o Brasil contará com representantes nos Jogos Paralímpicos de Inverno. Em Pyeongchang , na Coreia do Sul, a paranaense Aline Rocha e o rondoniense Cristian Ribera, do esqui cross-country, e o paulista André Cintra, do snowboard, vão integrar a delegação verde-amarela. A 12ª edição da competição começa no dia 9 de março, 12 dias após o término dos Jogos de Inverno.

Leia também: "Angelina Jolie russa" pode perder medalha por doping do parceiro

Cristian Ribera, André Cintra e Aline Rocha são os brasileiros nos Jogos Paralímpicos de Inverno
Comitê Paralímpico Brasileiro
Cristian Ribera, André Cintra e Aline Rocha são os brasileiros nos Jogos Paralímpicos de Inverno

A primeira participação do Brasil nos Jogos Paralímpicos de Inverno havia sido em Sochi, na Rússia, em 2014. Na ocasião, os snowboarders André Cintra e Fernando Aranha, do esqui cross-country, debutaram na neve defendendo o país.

Paranaense de Pinhão, Aline Rocha , de 26 anos, garantiu a classificação para a competição em dezembro do ano passado, na etapa canadense da Copa do Mundo de esqui cross-country, após completar duas provas (sprint e 5km) abaixo do índice exigido. Mais do que ser a primeira integrante feminina do Brasil na neve, Aline ainda faz parte do seleto grupo dos atletas com participações em Jogos Paralímpicos de Verão e de Inverno. No Rio 2016, disputou no atletismo os 1.500m, os 5.000m e a maratona na classe T54 (para cadeirantes).

Leia também: Atleta fica com seio à mostra durante apresentação dos Jogos Olímpicos

Companheiro de Aline no esqui cross-country, Cristian Ribera , rondoniense de Cerejeiras, é fruto de uma parceira da CBDN (Confederação Brasileira de Desportos na Neve) com a Fundação Agitos Foundation, braço do Comitê Paralímpico Internacional, com o objetivo de difundir e fomentar a prática do esporte no país.

Há três anos, em 2015, em uma das etapas do projeto, o atleta de apenas 15 anos testou o sit ski (esqui adaptado para quem não tem mobilidade nos membros inferiores). Em dezembro do ano passado, competiu oficialmente pela primeira vez e, neste mês, na etapa da Copa do Mundo de Vuokatti, na Finlândia, alcançou a melhor pontuação entre brasileiros no esqui cross-country já registrada (48.19). Com os excelentes resultados na temporada, assegurou a vaga masculina que pertencia ao Brasil, tirando dos Jogos Thomaz Moraes e Fernando Aranha, que também brigavam por um espaço na competição. 

Completa a delegação brasileira na Coreia o paulistano André Cintra , de 38 anos. O snowboarder leva o título de mais experiente do grupo, já que esteve em Sochi. Na Rússia, terminou em 28º na disputa do snowboard cross.

“É a segunda vez seguida que o Brasil enviará uma delegação para os Jogos Paralímpicos de Inverno e, agora, com uma mulher na equipe. É gratificante ver a evolução que estas modalidades têm apresentado. Tenho certeza que os três representarão muito bem o nosso país na Coreia do Sul”, disse Mizael Conrado, presidente do CPB (Comitê Paralímpico Brasileiro).

"Estamos muito satisfeitos com o trabalho realizado desde nossa primeira participação. Vamos contar com a experiencia do André Cintra, teremos a juventude do Cristian Ribera e uma mulher, pela primeira vez, com Aline Rocha. No total, competiremos em 10 provas contra quatro de Sochi. O objetivo é bater as marcas conquistadas há quatro anos na Rússia", explicou Stefano Arnhold, presidente da CBDN.

Antes de desembarcarem em PyeongChang no dia 3 de março, Aline e Cristian fazem aclimatação em Livigno, na Itália. A dupla ficará por lá de 19 de fevereiro a 2 de março. Já André escolheu Aomori, no Japão, para o período de treinos pré-Jogos. Ele chega ao país no dia 24 de fevereiro. 

Leia também: Ela largou o esporte para virar atriz pornô, mas volta a competir e é campeã

No total, mais de 600 atletas disputarão medalhas em seis modalidades durante os dez dias dos Jogos Paralímpicos de Inverno de PyeongChang 2018. Além do snowboard e do esqui cross-country, estão no programa o biatlo, o esqui alpino, o curling em cadeira de rodas e o hóquei em trenó. 

Perfil dos atletas

Aline Rocha – Pinhão (PR)
Data de nascimento: 20/02/1991
Peso: 38 kg
Altura: 1,53
Classe: LW11 (sitting)
Modalidade: esqui cross-country

História : Aline sofreu um acidente de carro em XXX que lhe causou uma lesão medular e a perda dos movimentos das pernas. Iniciou sua trajetória no esporte praticando atletismo, quatro anos após ter se acidentado. Há pouco mais de um ano, passou, também, a competir na neve, já que os movimentos do esqui cross country eram parecidos com o da corrida em cadeira de rodas. 

Cristian Ribera – Cerejeiras (RO)
Data de nascimento: 13/11/2002
Peso: 45 kg
Altura: 1,60m
Classe: LW11 (sitting)
Modalidade: esqui cross-country

História : Cristian nasceu com artrogripose – doença congênita das articulações das extremidades – e, em busca de tratamento, mudou-se de Rondônia para São Paulo. Aos 15 anos, já passou por 21 cirurgias para a correção das pernas e hoje, além do esqui cross-country, também faz natação, atletismo e anda de skate.

André Cintra – São Paulo (SP)
Data de nascimento: 22/03/1979
Peso: 77kg
Altura: 1,80m
Classe: LL1 – lower limb impaired (deficiência nos membros inferiores)
Modalidade: Snowboard

História : Aos 17 anos, André sofreu um acidente de moto e teve que amputar a perna direita um pouco acima do joelho. Em 2010, se interessou pelo snowboard e resolveu se aventurar no esporte. Ele foi o primeiro atleta brasileiro a conseguir se classificar para os Jogos Paralímpicos de Inverno de Sochi, em 2014, quando o Brasil fez sua estreia na competição de inverno.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.