Tamanho do texto

Além disso, o Ministério do Esporte criticou a "prática criminosa de soltar balões". Única competição no local neste ano havia sido em maio

A Secretaria Municipal de Ordem Pública do informou que agentes da Defesa Civil isolaram parte do Velódromo do Parque Olímpico da Barra da Tijuca, zona oeste da cidade. O local foi atingido na madrugada deste domingo por um incêndio , que estragou parte da cobertura e também da pista. De acordo com a secretaria, balões que caíram na lona que cobre a cobertura da instalação esportiva provocaram o fogo .

Leia também: Etiene Medeiros brilha e fatura ouro inédito para o Brasil no Mundial de natação

Ainda segundo a secretaria, a região comprometida pelo fogo permanecerá “parcialmente interditada até que sejam realizados serviços de recuperação”. Informou ainda que a empresa responsável pela manutenção do Velódromo vai providenciar os reparos.

Além da cobertura, a pista do Velódromo também foi atingida por incêndio provocado por balões
Reprodução/Esporte Espetacular
Além da cobertura, a pista do Velódromo também foi atingida por incêndio provocado por balões

Quem também garante que o incêndio foi causado por balões foi a Autoridade de Governança do Legado Olímpico (AGLO), criada pelo Ministério do Esporte.

“A prática de soltar balões é crime ambiental e, por isso, a autarquia repudia tal iniciativa. A expectativa é de que, após perícia, os envolvidos sejam devidamente penalizados por destruir o patrimônio público. Destacamos, ainda, que tomaremos todas as medidas necessárias para que o velódromo seja rapidamente recuperado e volte ao seu pleno funcionamento”, disse a entidade, em nota.

Leia também: Ana Marcela conquista ouro no mundial de maratona aquática e entra para história

Mais cedo, o Ministério do Esporte também divulgou um comunicado sobre o incidente e criticou a prática de soltar balões, que, segundo eles, é criminosa.

"O Ministério do Esporte lamenta profundamente o incidente ocorrido nesta madrugada no Velódromo do Parque Olímpico da Barra e, ao mesmo tempo, critica essa prática criminosa de soltar balões. O Velódromo, legado dos Jogos Olímpicos de 2016, vinha sendo utilizado por atletas e pela comunidade do Rio de Janeiro", afirmou.

Leia também: Bloqueio vira fundamental na campanha da seleção feminina no Grand Prix de vôlei

"Aguardamos e confiamos na apuração e punição dos envolvidos por destruírem mais do que um bem público, mas um equipamento comum a todos. Após a perícia dos Bombeiros, avaliaremos os danos e as medidas a serem adotadas para recuperação desse importante bem nacional", completou.

Utilização do Velódromo

Neste ano, a única competição de ciclismo no Velódromo foi em maio, quase nove meses depois das competições dos Jogos Rio 2016. O Rio Bike Fest reuniu disputas em diversas categorias, recebeu uma feira de produtos ciclísticos e teve apresentações de BMX Freestyle. A competição foi organizada pela Federação de Ciclismo do Estado do Rio de Janeiro.

No dia 8 deste mês, o Velódromo recebeu cerca de 500 crianças e adolescentes do Rio, que puderam participar de oficinas e assistiram a demonstrações esportivas de jiu-jitsu, judô, muay thai, taekwondo, caratê, tênis de mesa e ciclismo de pista.

*Com informações da Agência Brasil