Tamanho do texto

“A oferta de bolsa [de estudos] é uma consequência da estrutura para absorver os atletas", disse o medalhista olímpico de 24 anos

Felipe Wu defende fortalecimento de ligas universitárias
Divulgação
Felipe Wu defende fortalecimento de ligas universitárias

Medalha de prata no tiro esportivo na Rio 2016, o atleta Felipe Wu é um dos padrinhos dos Jogos Universitários Brasileiros, que acontece em Cuiabá. Defensor da ideia de conciliar esporte e estudos na universidade, Wu acredita que o caminho para melhorar a estrutura esportiva nas instituições de ensino superior começa por investimentos nas ligas universitárias.

LEIA MAIS: "Moro em lugar imundo e ele ganha milhões", diz mãe de atleta do Manchester City

Aos 24 anos, Felipe Wu  já participou de duas Universíades, os jogos universitários mundiais, e começou a se destacar nos Jogos Olímpicos de Verão da Juventude de 2010, antes de chegar à prata nos Jogos Rio 2016. Nessa trajetória, participou de disputas com atletas universitários e diz ter conhecido realidades em que bolsas de estudo, estrutura de treinamento e ligas universitárias nacionais formavam atletas mais preparados para competições internacionais.

LEIA MAIS: Mary Keitany é campeã da Maratona de Nova York 2016

“A oferta de bolsa [de estudos] é uma consequência da estrutura para absorver os atletas. Mas primeiro tem que ter uma liga universitária, depois uma boa estrutura e depois selecionar alunos por meio de bolsa”, afirmou.

Carreira

Segundo Wu, outra vantagem do esporte universitário para os atletas é a possibilidade de conciliar o esporte e a formação acadêmica, para garantir uma alternativa profissional à carreira esportiva, caso dele próprio, que cursa engenharia aeroespacial na Universidade Federal do Grande ABC (UFABAC) e chegou a representar a instituição em uma competição.

Apesar disso, sua preparação sempre foi em clubes, situação que se repete em muitas modalidades esportivas brasileiras. Segundo Wu, com mais investimentos nessa direção, as universidades poderiam ampliar o acesso de atletas a estruturas de treinamento. “É um caminho importante a se considerar, porque nos clubes fica muito limitada a quantidade de praticantes", continuou.

LEIA MAIS: Palermo entra na lista dos italianos que atraem investidores chineses

No entanto, o medalhista olímpico pondera que a universidade não é, em geral, o lugar de formação de novos atletas, pois a idade em que o jovem chega nesse nível educacional já é considerada tardia para começar em muitos esportes de alto rendimento.

“O atleta não surge na universidade. Esse é um ponto interessante. Ele [o universitário] já é ou deveria ser de um nível mais avançado por causa da idade", finalizou Wu.

Padrinhos

O evento reúne 4,5 mil pessoas entre atletas, treinadores e outros profissionais de universidades de todo o país. Quatro modalidades coletivas e 13 individuais serão disputadas em Cuiabá até o dia 13 de novembro. Além de Felipe Wu, o medalhista de bronze do taekwondo Maicon Andrade; o campeão mundial de canoagem paralímpica Fernando Fernandes e o nadador Henrique Martins também são padrinhos do JUBs.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.