Tamanho do texto

Australiana Michelle Jenneke ficou conhecida pelo aquecimento sexy que faz, mas isso não lhe garantiu apoio do governo do seu país

A dança sensual de Michelle Jenneke
Reprodução
A dança sensual de Michelle Jenneke

Em um primeiro momento, você pode não se lembrar do nome Michelle Jenneke, mas se já viu a dança sensual que a atleta faz antes de competir, vai saber de quem se trata. No último mês de agosto, ela chegou aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro como grande atração e esperança de medalha para Austrália nos 100m com barreiras do atletismo.

E mais:  Confira 4 opções imperdíveis de corrida de rua ao redor do mundo

Michelle Jenneke é conhecida em seu país por ser a grande campeã nacional da prova que é especialista. Mas a dança sensual fez bastante sucesso e lhe rendeu alguns patrocínios interessantes no esporte, como ser garota-propaganda de grandes marcas mundiais, como Puma e Coca-Cola, por exemplo.

A australiana de 23 anos de idade faz as dancinhas desde 2011 e ficou famosa em 2012, quando estava no aquecimento para o Mundial Júnior de atletismo, em Barcelona, na Espanha. Ela foi flagrada por uma das câmeras de transmissão em clima de absoluta descontração, dando um show particular e levando o público ao delírio.

Confira a dança de Michelle Janneke:


Fiasco e perda de patrocínio

No Rio de Janeiro, nas competições do atletismo, a expectativa sobre Michelle era enorme por parte da delegação australiana e também dos seus torcedores. Mas mesmo mostrando o seu lado sexy mais uma vez, ela não conseguiu chegar perto de suas melhores performances e acabou amargando a 37ª posição na sua prova, posição que foi considerada um fiasco.

Confira:  Presidente da Federação de pole dance faz ensaio sensual na neve; veja fotos

Por conta disso, o governo da Austrália resolveu tirar da atleta o patrocínio que é uma espécie de Bolsa-Atleta aqui no Brasil, um incentivo público para os esportistas de alto rendimento. O mais interessante é que o corte desse dinheiro a Michelle aconteceu justamente num momento em que o país aumenta a verba destinada a atletas olímpicos, com mais 62 novos corredores visando os Jogos de Tóquio 2020.

Veja:  Esporte paralímpico e psicologia, os novos desafios de Lais Souza

Craig Hilliard, treinador de Michelle Jenneke, comentou sobre o desempenho ruim da sua atleta, independente da dança sensual. "É algo que eu tenho que discutir com ela. Michelle  certamente não chegou ao Rio de Janeiro na forma física que deveria ter chegado", tentou explicar.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.