Tamanho do texto

Fedor Holz teve uma ascensão meteórica no mundo das cartas e fichas e hoje é um dos grandes nomes do poker

Fedor Holz é conhecido como Messi do poker
Divulgação
Fedor Holz é conhecido como Messi do poker

O Poker foi um jogo que se reinventou ao longo dos anos. No inconsciente coletivo, o jogo é uma reunião de malandros, em salão enfumaçado onde alguém pode tirar o “ás da manga” e vencer. A realidade sempre foi um pouco distante disso. Com a inclusão da TV no negócio, descobrimos que pessoas normais gostam de praticar o Poker. Pessoas como eu e você que está lendo a coluna. Gente que busca diversão, adrenalina e passar bons momentos com amigos. Nada a ver com o caricato Velho Oeste.

E mais:  Além da vida noturna, Neymar também se diverte nas mesas de poker

Nesse sentido, o poker deixou de parecer um “jogo de velho” para ser abraçado por gente de toda sorte. A figura do jovem que joga pela internet, do empresário que viaja para jogar os torneios mundo afora e até mesmo dos próprios velho, que se sentem incluídos quando sentam com suas fichas nas mesas.

Os grandes nomes do Poker nos últimos tempos, por competência, foram Daniel Negreanu, um ex-dealer canadense de ascendência romena, Phil Ivey, um negro da Califórnia, operador de telemarketing, Chris Moneymaker, o homem que revolucionou todo o negócio, que era apenas um pacato contador do Tennessee quando ganhou o evento principal da World Series of Poker em 2003. Tudo muito diferente do imaginário popular, que vislumbra príncipes modernos bancados pelo dinheiro dos pais jogando. O nome disso é automobilismo, no Poker é diferente. Tem espaço para todos, inclusive para os abastados monarcas. Essa é a graça do jogo.

Messi das cartas

Digo tudo isso para apresentar Fedor Holz, o garoto que vem causando discussões apaixonadas no mundo do Poker. O Messi das cartas. Nascido na Alemanha, mais precisamente na cidade de Saarbrucken, muito perto da França, no ano de 1993, Holz teve uma ascensão meteórica no mundo das cartas e fichas. Vindo de uma família de classe média, o garoto se especializou em todas as vertentes do Poker. Tanto online quanto live ele é grande ganhador. Segundo George Danzer, um dos próceres do jogo na Alemanha, tudo aconteceu muito rápido para Fedor Holz: “Em questão de meses ele jogava torneios de 50 dólares, dizia que apreciava meu jogo e logo depois ganhou os títulos mais importantes do mundo do Poker”.

Confira:  Você conhece Dan Bilzerian, o playboy milionário do poker?

Fedor Holz, alemão que brilha no poker
Reprodução
Fedor Holz, alemão que brilha no poker

Morando hoje em Viena, capital da Áustria, as estatísticas apontam que o craque já faturou mais de US$ 20 milhões, sendo o maior ganhador da Alemanha e o 9º colocado na lista dos maiores ganhadores do poker em todos os tempos. Tudo isso aos 23 anos. Essa lista aponta só os feitos nos eventos presenciais.

No poker virtual, Holz enfileirou títulos e milhões de dólares, o último grande feito foi o segundo colocado no torneio 28 do  WCOOP (World Championship of Online Poker), que custava módicos US$ 102.000 de inscrição e que teve o jovem alemão como segundo colocado, adicionando US$ 1 milhão a sua conta. Além disso, ele tem, ainda que secretamente, treinado e investido em outros jogadores e que tem representado bons lucros para o garoto de Saarbrucken.

A vida intensa de Fedor Holz nas mesas contrasta com a tranquilidade fora delas. São raras as festas que o alemão frequenta, acaba preferindo reunir amigos em casa e de preferência nos períodos em que nenhuma série de poker esteja sendo jogada. Gosta muito de discutir mãos com os amigos, nas palavras de George Danzer: “Holz gosta muito de saber as linhas que adotamos em uma mão complexa. Só não conte para ele situações normais de jogo”. Outra faceta do jovem é o investimento “não oficial” na Global Poker League, torneio entre times do mundo inteiro e também a caridade, doando parte de seus ganhos a instituições na América do Sul.

Veja também:  Michael Phelps, a lenda olímpica que também se arrisca no poker

A melhor coisa do poker, além da inclusão e divertimento, está no fato de que os heróis não são os garotos ricos, homens maus do Velho Oeste, malandros ou espiões. Os grandes protagonistas são gente que batalha para se qualificar e fazer bonito nas mesas. O dinheiro vem depois. Nunca antes.

*Victor Marques, o Vitão, é ex-jogador profissional de poker, narrador, repórter e blogueiro do Superpoker e do Bandsports