Tamanho do texto

Brasileiro de 27 anos vem de duas derrotas consecutivas no UFC e voltou ao peso-leve para buscar recuperação diante de Will Brooks, dia 8 de abril

O UFC 210 nem começou, mas para Charles Do Bronx o evento será certamente o mais marcante de toda a sua carreira. Para subir ao octógono, o lutador teve que abrir mão daquele que, possivelmente, será o “dia mais feliz da sua vida”. Isso porque na mesma data da luta contra o americano Will Brooks, 8 de abril, está previsto o nascimento de Tayla, a primeira filha do lutador. Não bastasse o acontecimento pessoal, o combate de Buffalo, no estado de Nova York, marca também o retorno de Charles ao peso-leve (até 70,3 kg), categoria que ele não luta desde 2011.

Leia também: Saiba tudo sobre Luta no iG Esporte

A coincidência pessoal inusitada é na verdade um combustível a mais para o futuro papai Do Bronx. Afinal, não é todo dia que a gente sai para uma luta na espera da primeira filha. Para Charles, ter seu braço levantado ao término do combate será sua forma de homenagear a mulher e a pequena que vai nascer.

Charles do Bronx antes da luta com Max Holloway, em agosto de 2015
Divulgação
Charles do Bronx antes da luta com Max Holloway, em agosto de 2015

“Será o dia mais feliz da minha vida, com certeza. Quando puder, contarei para a Tayla que o papai teve que ir trabalhar para garantir um futuro melhor para nós. O MMA me deu muita coisa e a mais importante delas foi realizar o sonho de poder construir uma família e dar uma boa condição para os que dependem de mim. Toda minha dedicação já é em nome delas, mas se a vitória acontecer, claro que será dedicada à minha filha e esposa, que também foi uma guerreira e me deu todo o suporte para que eu focasse apenas no meu adversário”, falou Charles.

Um dos mais promissores brasileiros no MMA, com uma carreira de 21 vitórias, sete derrotas e uma luta sem resultado, o atleta da Academia Chute Boxe Diego Lima encara Will Brooks no peso-leve, categoria que Do Bronx não luta desde a derrota para Donald Cerrone, em 14 agosto de 2011.

Leia também: Arena em Las Vegas reserva data para luta entre McGregor e Mayweather

No último UFC México, realizado em 5 de novembro de 2016, contra Ricardo Lamas, o guarujaense teve problemas para bater o peso em solo mexicano, o que lhe fez perder parte da bolsa pelo combate. Por este motivo, após o evento, o UFC o recolocou na sua antiga categoria, a peso-leve.

“Sei que sou profissional e tenho que me apresentar dentro do limite estipulado, superando todas as adversidades. Peguei a luta contra o Lamas com poucos dias de preparação. Além disso, a altitude da Cidade do México também atrapalhou no corte de peso. Cheguei na semana da luta pesando dentro do planejado, mas, infelizmente, o meu corpo não respondeu e não consegui cortar o restante. Tentamos de tudo, mas ele não baixou. Respeito a decisão do Ultimate e, mesmo numa categoria acima, vou para as cabeças”, relembrou.

Charles com sua família

Família em peso em casa muito bom ter vcs aqui amo muito todos vcs @talita_29 @ozanafche

Uma publicação compartilhada por Charles Oliveira (@charlesdobronxs) em

Mas se depender de Charles e seus treinadores, subir ao peso-leve não será definitivo. A ideia é retornar ao peso-pena, onde é o oitavo do ranking e considerado um dos mais respeitados atletas do UFC. “Fiz excelentes lutas no peso-pena e é onde sinto que posso dar o melhor de mim. Por isso, para os próximos compromissos, pretendemos conversar com a organização para tentar garantir a minha continuidade no peso-pena”, explicou Do Bronx.

Para o duelo contra Will Brooks, o brasileiro precisou adaptar seu treinamento. Além do corte menor de peso, há também a mudança de característica do adversário. “Os lutadores de 70,3kg são um pouco mais fortes que os pesos-pena (65,7 kg), preciso tomar cuidado com isso. Na parte técnica a diferença é menor. Em ambas existem caras duros e prontos para te derrotar. Se não estiver em alto nível, a vitória fica pelo caminho ”, explicou o experiente lutador.

Leia também: Luta: St-Pierre elogia Demian Maia e o vê como campeão dos meio-médios do UFC

Vindo de duas derrotas (Ricardo Lamas no UFC México, e Anthony Pettis, no UFC Vancouver, em 27 de agosto de 2016), Do Bronx sabe que não pode nem pensar em perder, já que o UFC costuma ser implacável com aqueles que acumulam uma sequência de três derrotas.

“Perder nunca é uma opção. Entrarei para ganhar, como sempre fiz. O que aconteceu nas lutas anteriores já passou. Olho sempre pra frente e o foco é apenas no que preciso fazer para vencer Will Brooks”.

A guerra contra Will Brooks

Adversário de Charles do Bronx, o americano Will Brooks é o 15º no ranking da categoria peso-leve e também vem de derrota. Na ocasião, ele foi nocauteado pelo também brasileiro Alex Oliveira, no UFC Portland, disputado em 1º de outubro de 2016.

Com um recorde de 18 vitórias e apenas duas derrotas, Brooks fará apenas a sua terceira luta no UFC e precisa de um triunfo para crescer no evento mais famoso do mundo.

Prestes a ser pai pela primeira vez, Charles Do Bronx revela foco total para luta no UFC 210
Divulgação UFC
Prestes a ser pai pela primeira vez, Charles Do Bronx revela foco total para luta no UFC 210

“Já lutei com os caras mais duros do UFC. Tenho certeza que Will Brooks será mais um deles. Antes de entrar no Ultimate, ele fez uma fila de vitórias em outros eventos. Tenho me preparado com o mestre Diego Lima e a galera da Chute Boxe. Se alguém espera ver uma boa luta, pode esperar por Charles Do Bronx e Will Brooks no UFC 210 porque não vai se arrepender”, finalizou o brasileiro.

O UFC 210 acontece em Buffalo, estado de Nova York, no dia 8 de abril. A luta principal terá a disputa de cinturão da categoria meio-pesado entre Daniel Cormier e Anthony Johnson. Outro duelo importante será entre Chris Weidman e Gerard Mousasi, além do brasileiro Thiago Pit Bull, que enfrenta Patrick Cote.

    Leia tudo sobre: luta