Andriy Shevchenko foi técnico da seleção ucraniana
Reprodução/Instagram
Andriy Shevchenko foi técnico da seleção ucraniana


Chegando ao 18º dia da invasão russa à Ucrânia, o ídolo e maior atilheiro ucraniano Andriy Shevchenko (confira galeria de fotos abaixo)  revelou que ajudará os refugiados no Reino Unido. Em entrevista à ITV, o ex-jogador afirmou que além de abrigar duas crianças em sua casa, ajudará o embaixador ucraniano a realocar 150 pessoas.


“Eu tento apoiar meu país, tento chamar a atenção, tentei falar exatamente sobre o que está acontecendo, tento tocar o coração das pessoas e depois entender as circunstâncias. Claro, tento aumentar a ajuda humanitária e ajudar meu país, meu povo, refugiados", contou Shevchenko.

Segundo o jornal britânico Mirror, o governo do Reino Unido lançou a campanha 'Casas para a Ucrânia' com o objetivo de incentivar os residentes a realocar os refugiados caso seja possível. Ainda de acordo com a publicação, o movimento já conta com o interesse mais de 90.000 alojamentos.

Leia Também

“Eu estava esperando as regras do governo e agora está bem claro... Eu estava trabalhando com o embaixador da Ucrânia aqui e depois tenho alguns amigos que querem ajudar e vamos levar 150 refugiados aqui e colocá-los em diferentes áreas e levar algumas crianças também na minha casa", afirmou.

Shevchenko também revelou seu sentimento acerca dos conflitos na Ucrânia.

“Acho que não há um lugar na Ucrânia onde você se sinta seguro agora. Não acredito nisso, às vezes é como um pesadelo. Eu só acordo e digo para mim mesmo "vai voltar à situação normal", mas sei que isso nunca vai acontecer. Eu sei que temos que lidar com essa situação e temos que encontrar uma maneira de trazer a paz ao meu país”, disse.

O ex-atacante que chegou a atuar pelos Blues também comentou brevemente sobre a situação do Chelsea.

"É um momento muito difícil para mim", acrescentou. “Neste momento não penso em futebol. Minha cabeça, toda a minha atenção é ajudar meu país, mas conheço a situação e é um momento muito difícil para os torcedores do Chelsea, para o clube. Acho que você não pode cancelar a história do Chelsea. Os torcedores têm que ser fortes e apoiar o clube”, encerrou.

** Lucas Barreiros é graduando em jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. No iG, escreve para o iG Esportes. Coleciona passagens pelas Web Rádios Rede Contínua e Bate Fundo Esportivo. Além das transmissões esportivas, tem conhecimento na criação de conteúdos audiovisuais. Apaixonado por esportes, Lucas não se limita ao futebol brasileiro e é fã da Premier League. Além das quatro linhas, acompanha as emoções da NBA, a velocidade da Fórmula 1 e o mundo dos e-sports. Fora do âmbito esportivo, tem forte ligação com a música e o cinema.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários