Larry Miller
Instagram
Larry Miller

O presidente da Jordan Brand, Larry Miller, de 71 anos, confessou um crime.

O dirigente da marca de Michael Jordan, mundialmente conhecida pelos tênis e pelo patrocínio a clubes como o PSG, de Neymar e Messi, deu uma entrevista à ‘Sports Illustrated’, na qual revelou ter assassinado um homem há 56 anos.

Miller confirmou ter matado um jovem em 1965, quando tinha apenas 16 anos, e afirmou que nunca assumiu isso a ninguém, inclusive no círculo de amigos mais próximos, que inclui o ex-jogador de basquete, Michael Jordan. 

Miller contou que o crime ocorreu em setembro de 1965, como vingança, após um amigo ter sido esfaqueado na Filadélfia.

Leia Também

Leia Também

O dirigente da Jordan Brand relembrou que bebeu uma garrafa inteira de vinho, pegou uma arma e dirigiu-se à casa de um dos membros do gangue rival,  disparando na primeira pessoa que viu e matando Edward White, de 18 anos, mesmo sem saber se terá sido ele o responsável pela morte do seu amigo

"Isso é o que faz com que seja ainda mais difícil para mim, foi sem razão alguma. Quer dizer, não havia uma razão válida para aquilo acontecer. E é com isso que eu realmente luto e é isso que penso todos os dias. Se pudesse voltar e desfazer o que fiz, faria isso absolutamente. Como não posso, tudo o que posso fazer é tentar ajudar as outras pessoas e tentar evitar, talvez, que isso aconteça com outra pessoa", explicou.

O crime fez com que Miller tivesse de cumprir 14 anos de prisão, tendo saído de trás das grades apenas aos 30 anos. Apenas depois disso começou a ter sucesso no mundo esportivo.

Após cumprir a pena, Miller trabalhou na Nike e em 1999 chegou a presidente da Jordan Brand, de onde saiu em 2006 para se tornar membro da direção dos Portland Trail Blazers, franquia da NBA. Em 2012, regressou ao posto na Jordan Brand.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários