Já se passaram mais de 100 dias e o craque Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Roberto Assis, seguem presos no Paraguai, sob a acusação de usaram passaportes falsos para passar pela imigração.

Leia também: Daniel Alves cogita terminar sua carreira no Boca

Daniel Alves
Agência O Globo
Daniel Alves


Em entrevista ao programa espanhol “Hoy no se sale”, o lateral esquerdo Daniel Alves , atualmente, no São Paulo , falou de diversos temas, entre eles, sobre a prisão do seu antigo companheiro de seleção brasileira. “Para Ronaldinho, não há momentos ruins. Se você tem que ir para a cadeia, então que se divirta. Ele nasceu para fazer as pessoas felizes. Tenho certeza que não tem nada a ver com essa merda”, disse.

Leia também: Nova profissão? Daniel Alves diz que pensa em virar cantor

Após mais de três meses de investigações, que revelaram um esquema de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e produção de documentos falsos, mas que não encontrou nenhum outro indício de crime por parte dos dois brasileiros, ambos aguardam, em prisão domiciliar, o julgamento de um recurso que pode demorar até seis meses.

Ainda em entrevista, Dani Alves tocou em outros assuntos polêmicos, como a questão do racismo. Na ocasião, criticou a postura da maioria das pessoas, que usam as redes sociais para combater esse sério problema.

“Quando há uma catástrofe, as pessoas recorrem às redes e depois mais nada. No mundo cabe todas as pessoas, o que precisa é respeito. Somos todos iguais, com o mesmo sangue e com os mesmos órgãos. Existe apenas um alienígena chamado Messi. Mas, minha mensagem é que o insulto não vai me afetar e nem me fazer chorar”, enfatizou o jogador, que durante passagem pelo Barcelona protagonizou uma terrível cena de racismo, quando, em uma cobrança de escanteio, um torcedor jogou uma banana no campo. Sem se afetar, o brasileiro pegou a fruta do chão é comeu.

Com 37 anos e 42 títulos na carreira, o jogador também falou de uma possível aposentadoria. Segundo ele, apesar da idade ser apenas um número, ele já sabe o sinal de quando deve parar. "A idade são apenas números, a guerra que vou travar mesmo é com o futebol. Antes fazia 12 quilômetros, mas o inteligente é fazer 8 bem. Só tenho clara uma coisa, não vou passar vergonha dentro do campo, quando não me ver mais nele vou deixá-lo, explicou Daniel Alves .

    Veja Também

      Mostrar mais