Tamanho do texto

Especulado em gigantes da Europa, Neymar ainda pode permanecer no PSG. Confira a análise das opções do brasileiro e vote em nossa enquete

Neymar arrow-options
Divulgação
Neymar

As especulações em torno do futuro de Neymar aumentam a cada dia. Barcelona e Real Madrid aparecem como favoritos para ficar com o brasileiro, mas outros grandes europeu surgem como opção, assim como uma permanência no PSG.

A escolha de Neymar com certeza não será fácil. No lugar do jogador, pra você onde iria? Confira a análise abaixo e vote na enquete.

Barcelona

Prós : Caso decida voltar ao clube catalão, Neymar não terá problemas de adaptação. Acostumado com o futebol espanhol, o atacante estará também em um elenco onde é querido pelos jogadores. Outro ponto positivo é a oportunidade de dividir a responsabilidade de decidir as partidas com jogadores como Lionel Messi, Suárez e Griezmann.

Contras : Apesar do bom clima que encontrará no vestiário, o brasileiro pode ter problemas com diretoria e torcida, que certamente ainda estão chateados com a maneira que o jogador se transferiu para o PSG. Uma volta ao Barça pode ser prejudicial também ao plano de Ney para ser o melhor jogador do mundo, já que mais uma vez ficaria na sombra de Messi.

Real Madrid

Prós: Assim como no Barça, nos merengues Neymar não terá dificuldades para se adaptar ao país ou ao clube, já que uma muitos amigos brasileiros o esperam por lá. São eles: Marcelo, Casemiro, Militão, Rodrygo e Vinicius Junior. Um dos maiores clubes do mundo, o Real pode ser uma boa vitrine para Neymar voltar a disputar o prêmio de melhor do mundo.

Contras: Identificado com o Barcelona, maior rival da equipe de Madri, o atacante brasileiro pode esperar muita pressão desde o início, e terá que responder rápido em campo. A expectativa da torcida merengue por um "novo Cristiano Ronaldo" deve aumentar mais ainda a cobrança em cima do jogador.

Juventus

Prós: Na equipe italiana, Neymar vai encontrar um elenco experiente e Cristiano Ronaldo, que além de dividir com o brasileiro o protagonismo em campo, é um grande líder, e costuma conseguir extrair o máximo de seus companheiros.

Contras: A experiência seria a primeira do jogador na Itália, e a adaptação pode ser complicada, principalmente pelas características do futebol jogado por lá, que valoriza muito mais a tática e a defesa, ao contrário de França e Espanha.

Manchester City

Prós: Se fechar com o time inglês, Neymar vai se reencontrar com Pep Guardiola, um dos melhores técnicos do mundo, e que já o comandou no Barcelona, quando viveu o melhor momento de sua carreira.

Contras: Assim como na Itália, o brasileiro precisaria se adaptar ao estilo de futebol jogado no país, o que pode causar alguma dificuldade no início. No City, o atacante voltaria a ter que lidar também com a forte pressão por um título da Champions League. Em situação parecida com o PSG, o clube inglês monta times milionários, mas fracassa constantemente na competição europeia.

Manchester United

Prós: Um dos maiores clubes do mundo, o United vem sofrendo nas últimas temporadas. Lá, Neymar teria espaço para ser o protagonista, e conduzir o time a um grande título o colocaria novamente na prateleira de melhores jogadores do mundo.

Contras: Além da possível dificuldade em se adaptar ao futebol inglês, Neymar encontraria um elenco mais frágil do que os outros citados. Com exceção de Pogba, o brasileiro não encontrará grandes peças ao seu lado que possam atuar em seu nível, aumentando ainda mais sua responsabilidade.

PSG

Prós: Caso permaneça no clube, o camisa 10 não terá problemas em se adaptar a um novo ambiente, e poderá voltar com tranquilidade de sua lesão, já que o nível do futebol francês não é tão alto como o de outras ligas. O elenco estrelado e rechado de brasileiros é outro ponto positivo.

Contras: Apesar do clima bom no vestiário, Neymar certamente terá dificuldades se ficar na França. Seu evidente desejo de deixar o  PSG  abalou as relações com diretoria e torcida. A imprensa, que sempre foi dura com ele, certamente pesará a mão em suas críticas. A pressão em cima do brasileiro promete ser maior do que nunca.