Tamanho do texto

DJ Solveig perguntou à Ada Hegerberg se ela sabia rebolar para comemorar o troféu. A atitude do apresentador gerou críticas de esportistas

A norueguesa Ada Hegerberg foi a primeira mulher a vencer a Bola de Ouro
Reuters
A norueguesa Ada Hegerberg foi a primeira mulher a vencer a Bola de Ouro

Nesta segunda-feira (03) aconteceu a entrega da Bola de Ouro, prêmio organizado pela revista France Football desde 1956. Pela primeira vez, a revista contemplou a categoria feminina e premiou a norueguesa Ada Hegerberg como melhor do mundo.

Leia também:  Irmãs de Cristiano Ronaldo criticam vitória de Modric na Bola de Ouro

A Bola de Ouro feminina é um avanço e o início do reconhecimento internacional das mulheres no futebol. Mas pelo discurso do DJ Martin Solveig, ainda existe um longo caminho a percorrer em relação ao tratamento com o público feminino.

O DJ foi responsável por entregar o prêmio à Ada e conversou com a jogadora no palco. Ao entregar o troféu, ele perguntou se ela queria (e sabia) rebolar para comemorar sua conquista.

Visivelmente constrangida, Ada respondeu não. Minutos depois ela aceitou dançar com o apresentador principal do evento, David Ginola. A atitude de Ada foi um tanto relutante.

Depois da premiação, o DJ Solveig pediu desculpas a jogadora do Lyon em sua conta oficial do Twitter. “Eu expliquei para [Ada] e ela me contou que entendeu que era uma piada. Não obstante, peço desculpas a qualquer um que possa ter sido ofendido. Mais importante ainda, parabéns a Ada”, escreveu.

Perguntada sobre a situação, a jogadora respondeu. “Ele veio até mim depois e foi muito triste que tenha sido assim. Eu realmente não considero assédio sexual ou qualquer coisa no momento. Eu estava feliz de fazer a dança e ganhar a Bola de Ouro”.

A ganhadora da Bola de Ouro feminina dançou brevemente com o DJ
Reuters
A ganhadora da Bola de Ouro feminina dançou brevemente com o DJ

Sobre ser a primeira mulher a receber a Bola de Ouro, a jovem de 23 anos comemorou a oportunidade. “É incrível. Esta é a uma grande motivação para continuar trabalhando e continuaremos trabalhando juntos para ganhar mais títulos”, disse.

A norueguesa é atacante e defende o Olympique Lyonnais desde 2014. Na temporada seguinte a qual chegou foi campeã e artilheira da Liga dos Campeões feminina e recebeu o prêmio da Uefa de melhor jogadora. Além disso, conquistou duas Taças da França e dois Campeonatos Francês.

Algumas personalidades do esporte comentaram o caso. O tenista britânico Andy Murray publicou em suas redes sociais. “Outro exemplo do ridículo sexismo no esporte. Que perguntas eles fizeram a Mbappé e Modric?”, referindo-se aos jogadores que ganharam outras modalidades na cerimônia .

A brasileira Marta tinha sido indicada ao prêmio, mas não compareceu ao evento. Em São Paulo para o Bola de Prata, da ESPN Brasil, a jogadora comentou no programa Bate Bola sobre o ocorrido.

“Erro de um cara de não pensou na hora de saber colocar as palavras corretamente, porque se tratava de uma premiação do esporte. Triste, porém a gente tem que rebater com ações”, comentou.

Leia também:  Veja cinco motivos que fazem a volta de Neymar ao Barça ser impossível

Marta também elogiou a ganhadora da Bola de Ouro feminina. “Ada é uma companheira de trabalho, joga muito. Mereceu ganhar porque joga no melhor time da Europa (Lyon) e fez uma grande temporada. Já vem se destacando há bastante tempo, então parabéns a Ada”, concluiu.

    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.