Tamanho do texto

O caso aconteceu em 2014, após uma partida entre Napoli e Fiorentina em Roma. O torcedor estava armado e disparou contra os napolitanos presentes

Homenagem ao napolitano baleado pelo torcedor da Roma
Reprodução
Homenagem ao napolitano baleado pelo torcedor da Roma

O torcedor da Roma Daniele De Santis teve nesta terça-feira (25) a sua sentença de 16 anos de prisão confirmada pela Suprema Corte da Itália , por conta do assassinato do também torcedor do Napoli Ciro Esposito, em 2014.

Leia também: Torcedor do Inter morre no Beira-Rio durante partida contra o Corinthians

O Supremo Tribunal da península rejeitou o recurso de De Santis contra o veredito, que visava diminuir a pena. No entanto, em junho de 2017, o Tribunal de Apelação de Roma já havia reduzido a condenação do torcedor giallorosso de 26 para 16 anos de reclusão.

A mãe do napolitano comemorou a sentença, por mais que ela tenha demorado a chegar, assim como os advogados da vítima.

"Eu queria a verdade e eu tive. Não me importa quantos anos faz, mas queria apenas que fosse definida a sua responsabilidade", disse Antonella Leardi, mãe de Esposito.

Leia também: Nove pessoas são presas por corrupção em obras do novo estádio da Roma

O torcedor da Roma condenado a 16 anos de prisão pela morte do napolitano
Reprodução / Ansa
O torcedor da Roma condenado a 16 anos de prisão pela morte do napolitano

"Estamos satisfeitos com a decisão do Supremo Tribunal que não aceitou a tentativa de defesa de Daniele De Santis para passar a tese de que o assassinato de Ciro Esposito foi um caso de autodefesa", afirmaram Angelo e Sergio Pisani, advogados de Esposito.

A briga que resultou na morte de Esposito aconteceu pouco antes do início da final da Copa da Itália de 2014, quando o Napoli e Fiorentina se enfrentaram na capital italiana, Roma. De Santis portava uma arma e disparou contra os torcedores napolitanos, atingindo em cheio o jovem Esposito.

Apesar de ter sido alvejado, Esposito não morreu no local da confusão, mas internado em um hospital e sobreviveu por 50 dias.

Leia também: Edílson Capetinha é preso pela polícia antes de jogo festivo em Santa Catarina

No entanto, o napolitano não resistiu a uma infecção nos pulmões, ocorrida por conta do número de cirurgias que precisou passar após ser baleado pelo torcedor da Roma .


    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.