Tamanho do texto

Empresa Spuni Comércio de Produtos Esportivos e Marketing Ltda acusa a Fifa de desobedecer as leis de proteção da propriedade intelectual

Spray está vetado do futebol de acordo com decisão da Justiça do Rio de Janeiro
Twitter
Spray está vetado do futebol de acordo com decisão da Justiça do Rio de Janeiro

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, através do juiz da 7ª Vara Empresarial da Capital, Ricardo Lafayette Campos, decidiu proibir o uso de spray de marcação em todas as partidas de futebol organizadas pela Fifa  e suas confederações ou associações filiadas - O produto é usado principalmente em cobranças de falta.

Leia também: Neymar se diz 'mais vivido e cascudo' para a disputa da Copa de 2018

A ação foi ajuizada pela empresa Spuni Comércio de Produtos Esportivos e Marketing Ltda., que acusa a Fifa de desobedecer às leis de proteção da propriedade intelectual. De acordo com o processo, a empresa alega ser criadora do spray utilizado para marcar a distância (9,15 metros) da posição da barreira e da bola em relação ao local das cobranças de falta.

Leia também: Jogador decide deixar clube após acusar companheiro de assediar sua mulher

Caso a ré, que no caso é a Fifa, descumpra a decisão, que foi publicada originalmente no último dia 13 de dezembro, pode pagar multa de R$ 50 mil por evento.

Leia também: Atacante ex-Fla e Inter é o brasileiro que mais marcou gols no mundo em 2017

Confira a decisão do juiz Ricardo Lafayette Campos

"Não há qualquer questão a ser dirimida quanto a sua propriedade e, portanto, o spray é exclusivo do mesmo, sendo vedado a qualquer outro o fabrico do mesmo. Mas não é só. Há vasta comprovação de que após o invento, o réu violou a boa-fé objetiva contratual ao induzir o autor a não buscar empresas para tornar o invento, um item com produção em escala mundial, afirmando que o mesmo compraria a patente quando, na verdade, estava apenas, ao menos em sede de cognição sumária, ganhando tempo para negociar com terceiros spray semelhante ou simplesmente, violar a patente do autor, ou não lhe dando a autoria correta, como e. g. quando cobriam o nome da marca do spray do autor nas competições oficiais. A violação do 'fair play', inclusive um lema de propaganda da Fifa resta evidenciado, o que o Poder Judiciário não tolera"

    Leia tudo sobre: Futebol