Tamanho do texto

Hoje no Atlético Mineiro, atacante foi condenado pelo Tribunal de Milão por caso que aconteceu em 2013, quando ele ainda jogava pelo Milan

A nona seção do Tribunal de Milão, localizado no norte da Itália, condenou, nesta quinta-feira, o atacante Robinho, do Atlético Mineiro, a nove anos de prisão por " violência sexual em grupo" contra uma jovem albanesa, em uma boate da cidade italiana. Vale ressaltar que o jogador só será preso caso vá para a Itália.

Leia também: Ex-médico da seleção dos EUA confessa abusos sexuais de ginastas

Atacante Robinho atualmente está no Atlético-MG
Twitter/Reprodução
Atacante Robinho atualmente está no Atlético-MG


O caso ocorreu em 22 de janeiro de 2013, quando o jogador defendia o Milan e a vítima tinha 22 anos. Segundo a investigação, o ato teve a participação de Robinho e de mais cinco pessoas. Uma delas, identificada como Ricardo Falco, amigo do atacante, também foi condenada a nove anos de cadeia.

Leia também: Ibrahimovic se torna o primeiro jogador a disputar a Champions por sete clubes

Já os outros quatro réus não foram rastreados pela Justiça, que suspendeu o processo contra eles. O procurador do caso, Stefano Ammendola, havia pedido uma pena de 10 anos de prisão para o jogador do Atlético. Os condenados também deverão ressarcir a jovem em 60 mil euros, mas, como a sentença foi dada em primeira instância, ainda cabe recurso.

De acordo com o depoimento da vítima, ela já conhecia Robinho e alguns de seus amigos e estava com o grupo e duas amigas no Sio Cafe, em Milão, para uma festa de aniversário. Em determinado momento, segundo a albanesa, suas amigas foram embora e Robinho levou a esposa para casa.

Os réus então teriam oferecido bebida à vítima até "deixá-la inconsciente e incapaz de se opor". Na reconstrução elaborada pela Procuradoria, o grupo levou a jovem para o guarda-volumes da boate e, se aproveitando de seu estado, manteve "múltiplas e consecutivas relações sexuais com ela".

Leia também: "Não gosto de falar das coisas que faço dentro de campo", confessa Neymar

Durante o julgamento, a defesa afirmou que não há nenhuma prova de que a albanesa não tenha consentido com a relação nem de que ela tenha ingerido bebidas alcoólicas a ponto de ficar em "condições de inferioridade física e psíquica".

Por meio de uma nota divulgada no Facebook, o jogador diz que ele "já se defendeu das acusações, afirmando não ter qualquer participação no episódio" e que "todas as providências legais já estão sendo tomadas acerca desta decisão em primeira instância".

Outra acusação

Com duas Copas do Mundo no currículo e diversos títulos pelos clubes onde jogou, Robinho já enfrentou outra acusação de estupro. Em 2009, quando jogava no Manchester City, da Inglaterra, o atacante foi investigado após uma mulher dizer que foi violentada por ele em uma casa noturna da cidade de Leeds. Neste caso, no entanto, ele foi inocentado.

Clique e baixe o 365Scores para ter resultados, dados, notícias, tempo real, vídeos e muito mais


    Leia tudo sobre: futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.