Tamanho do texto

Entre os ultras da Lazio punidos, 12 foram banidos de partidas de futebol por cinco anos e um por oito; seis pertencem à principal organizada do clube

O superintendente da Polícia de Estado em Roma, Guido Marino, assinou nesta sexta-feira um procedimento que proíbe a entrada em estádios de 13 torcedores da Lazio acusados de atos antissemitas nos últimos dias.

Leia também: Presidente da Lazio é acusado de 'deslealdade esportiva' em caso de antissemitismo

Papéis de teor antissemita colados por torcedores da Lazio no Estádio Olímpico
Ansa
Papéis de teor antissemita colados por torcedores da Lazio no Estádio Olímpico

Entre os ultras da Lazio punidos, 12 foram banidos de partidas de futebol por cinco anos (um deles terá de se apresentar em uma delegacia nos dias de jogos), e um, por oito - este último, um laziale de 46 anos, já havia sido proibido de entrar em estádios em outras três ocasiões.

Dos 13 torcedores, seis pertencem à principal organizada da Lazio, a "Irriducibili". Outras sete pessoas já foram identificadas, mas ainda não foram punidas. Segundo a Polícia de Estado, os ultras cometeram "atos de discriminação racial mediante afixação de material antissemita, ofensivo no conteúdo e capaz de incitar o ódio racial".

Leia também: Após antissemitismo, torcedores da Lazio cantam hino fascista no Italiano

No último domingo, durante uma partida contra o Cagliari, pelo Campeonato Italiano, torcedores da Lazio espalharam folhetos com insultos a judeus e imagens de Anne Frank com a camisa da rival Roma. Os papéis foram colados na "curva sul" do Estádio Olímpico, onde costuma ficar a torcida giallorossa.

Críticas

O grupo foi criticado em toda a Itália, inclusive pelo presidente Sergio Mattarella, por espalhar pelo Estádio Olímpico, no último domingo, folhetos com frases antissemitas e a imagem de Anne Frank com a camisa da Roma. Segundo a "Irriducibili", tratou-se apenas de uma

"Usar a imagem de Anne Frank como sinal de insulto e ameaça, além de ser desumano, é alarmante para nosso país, que foi infectado há 80 anos pela crueldade obtusa do antissemitismo", afirmou o presidente.

Leia também: Governo italiano condena antissemitismo da torcida da Lazio

Paolo Gentiloni, primeiro-ministro italiano, também criticou a atitude de alguns torcedores da Lazio. "Há algumas coisas incríveis que ainda continuam acontecendo, como por exemplo, um grupo de torcedores de um clube de futebol que pensa que a história e a imagem de Anne Frank é brincadeira", declarou.

Homenagem

Antes da vitória sobre o Bologna, por 2 a 1, fora de casa, na última quarta-feira, os os jogadores da Lazio entraram em campo vestindo camisas com o rosto de Anne Frank, a garota judaica utilizada nos atos preconceituosos, e a frase "Não ao antissemitismo". A equipe está na terceira posição da Série A Tim, com 25 pontos após 10 rodadas.

    Leia tudo sobre: futebol

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.