Tamanho do texto

Experiente zagueiro belga pregou respeito à seleção brasileira e aos colegas de Manchester City: "Quando o jogo começar, o sentimento vai acabar"

Dois dias antes de enfrentar o Brasil pelas quartas de final da Copa do Mundo , o zagueiro da Bélgica, Vincent Kompany, foi o responsável por conceder entrevista coletiva. Logo de cara, o experiente jogador de 32 anos disse que esta será a partida mais importante da seleção belga, mas que eles não podem temer a equipe pentacampeã.

Leia também: Willian exalta Hazard e diz que "fará de tudo para vencer" disputa com o colega

Reprodução/Twitter
"Não temos que ter medo", diz Vincent Kompany sobre confronto com o Brasil

"O jogo contra o Brasil é o mais importante desta geração", disse Kompany . "Nós não temos que ter medo do Brasil. Queremos competir com os melhores times no mundo", acrescentou o jogador, que atua ao lado de Ederson, Danilo, Fernandinho e Gabriel Jesus no Manchester City.

Este tema, inclusive, foi abordado pelos jornalistas. Como era esperado, o defensor elogiou seus companheiros de clube, mas disse que quando a partida começar o sentimento de amizade vai acabar.

"Meus companheiros brasileiros de Manchester City não são apenas jogadores talentosos. Eles são muito trabalhadores e grandes seres humanos também", afirmou. "Eu vou abraça-los antes, mas, assim que o jogo começar, o sentimento vai acabar" continuou.

Leia também: Seleção brasileira faz último treino em Sochi e apronta malas para abandonar QG

O belga ainda disse que sua seleção manterá o estilo demonstrado nos quatro primeiros jogos, mas com cuidado, pois sabem do poderio verde e amarelo.

"Sabemos que é uma equipe forte. Seguimos fiéis ao nosso princípio, marcando gols, tentando ser o mais rápido possível. É um Brasil com equilíbrio, sendo constante entre atacar e defender. Eles podem atacar com muitos jogadores e defender tranquilamente. É este o signo de uma boa equipe. Vamos atacar, ser fiéis a nosso jogo. Jamais seremos kamikazes", revelou Kompany.

Lembranças de 2002

A partida desta sexta será a reedição de uma das oitavas de final da Copa de 2002, quando o Brasil venceu por 2 a 0. Naquela ocasião, houve um gol anulado de Wilmots e o fato ainda está vivo na cabeça de Kompany.

"A única coisa que todos os belgas lembram é da cabeçada de Marc Wilmots que foi anulada. Só lembramos disso. É difícil não lembrar. Claro que há muitas coisas que envolvem uma partida de futebol, mas quando você é criança, esse é o tipo de coisa que marca", ponderou.

Leia também: Só 17% da população acredita que Rússia vencerá a Copa do Mundo em casa

Desejo de Kompany

Kompany durante a partida contra o Japão, pelas oitavas
Divulgação/Fifa
Kompany durante a partida contra o Japão, pelas oitavas

Assim como Hazard, Vincent também gostaria que o confronto diante da seleção brasileira fosse na final: "Eu preferiria que fosse a final, sendo honesto. Sabíamos que terminando em primeiro em nosso grupo, pegaríamos o caminho mais duro. Preferiríamos que fosse na final, mas esta é a final para nós", salientou. "Apenas se lutarmos um pelo outro na sexta-feira, poderemos bater o Brasil", finalizou Kompany .

    Leia tudo sobre: futebol