Tamanho do texto

Taffarel disse que Alisson está na frente dos demais na disputa pela titularidade e que não vê problemas em ter três goleiros novatos em Copas

Enquanto os jogadores seguem se apresentando e iniciando os trabalhos preparativos para a Copa do Mundo, Taffarel, treinador de goleiros da seleção brasileira, e Rogério Maia, preparador de goleiros, falaram em entrevista coletiva na Granja Comary. A assunto não poderia ser outro: a preparação de Alisson, Ederson e Cássio para o mundial na Rússia.

Leia também: Tite conta com relatório de 'espiões' de clubes que analisaram rivais da seleção

Taffarel falou com a imprensa no segundo dia de preparação na Granja Comary
Pedro Martins / MoWA Press
Taffarel falou com a imprensa no segundo dia de preparação na Granja Comary

O primeiro ponto tocado durante a coletiva foi a falta de experiência dos três arqueiros na competição. Alisson, Ederson e Cássio nunca foram convocados para uma Copa do Mundo e farão a sua estreia em mundiais neste ano. Mesmo assim, Taffarel declarou confiança nos jogadores da posição e relembrou da sua estreia na competição.

"Como primeira vez, lembro de 90, quando eu participei, aquele entusiasmo, aquela vontade era grande. Vejo isso nesses três goleiros agora. A alegria de fazerem parte desse grupo, o momento que estão vivendo. Estão aqui justamente por isso, nos dão toda a tranquilidade de contar com os três. Eles têm experiência e todas as condições de representar bem o Brasil. A gente sabe que o momento da escola brasileira de goleiros é muito alta, muito reconhecida, principalmente lá fora", respondeu o ex-goleiro.

Com três copas disputadas como jogador, Taffarel usou a sua experiência para elogiar Alisson, e destacar seu amadurecimento profissional, tanto na Roma quanto na seleção nacional: "Sua grande força e característica é sua personalidade. Justamente isso que o ajudou a superar essa dificuldade de ficar no banco de reservas da Roma.  A confiança que demos a ele fez bastante diferença. O normal seria dizer que por não estar jogando lá não poderia jogar aqui. Mas não. Nós nos sentimos muito seguros de que estava dando o máximo lá".

"Mesmo não jogando na Roma, vinha e jogava bem. Fez com que os italianos reconhecessem o potencial dele. Nada mudou na cabeça dele, ele continua sendo o mesmo jogador de sempre, com pés no chão, mesmo com essas especulações de que Real Madrid estaria interessado, Liverpool. Ele não se abala, não se empolga. É um ponto muito positivo dele", acrescentou Taffarel, destacando o crescimento de Alisson.

Leia também: CBF vai premiar jogadores por convocação, final e título

Alisson
Divulgação
Alisson

Mesmo com Alisson sendo o titular na maior parte dos jogos da seleção brasileira, a presença do arqueiro da Roma ainda não está garantida entre os 11 atletas que irão iniciar a partida contra a Siíça, na estreia da equipe na Copa do Mundo. Taffarel destacou a briga pela posição e disse que a decisão final é do treinador. "O Tite é quem define (o titular). Mas, a princípio, quando o Tite declarou que tinha jogadores definidos, Alisson e Ederson estavam nessa lista. O Cássio se juntou a esse grupo, mas isso não quer dizer que chega como terceiro e que não pode ser o primeiro. Isso tudo depende do trabalho", afirmou.

Falando sobre o goleiro do Corinthians, o único que ainda não estava confirmado na lista final, Taffarel confirmou que ajudou o treinador da seleção com análise e opiniões sobre os goleiros que disputavam posição. Em outro momento, o treinador da posição ainda falou sobre Fábio, do Cruzeiro, e Vanderlei, do Santos. Sobre o primeiro, disse que é um dos melhores, mas que está abaixo de outros nomes. Já o alvinegro foi procurado, observado e constantemente analisado, mas ficou de fora da lista final por uma questão técnica. Além dos dois, Taffarel ainda falou sobre Neto, do Valencia.

"Lógico que temos que dar pitaco, é nossa função aqui dentro. Assim como os demais membros têm a função de munir o Tite de informações. Chegamos ao nome do Cássio dessa maneira, pela sequência dele nos últimos anos. Infelizmente o Neto teve pouca participação aqui, foi pouco tempo para termos uma análise mais profunda, se bem que fez Campeonato Espanhol muito bom. Mas o Cássio, com participações determinantes, nos deu segurança de colocá-lo na lista", afirmou.

Taffarel também comentou sobre as mudanças da posição nos últimos anos e seu estilo de treinamento: "Devido ao futebol se tornar muito mais rápido, a participação do goleiro tem que ser mais efetiva. Fui assistir a um jogo do Ederson em Manchester, ele tocou a bola com as mãos umas quatro ou cinco vezes, mas com os pés mais de 40. Goleiro está participando bastante. Nosso trabalho é muito diversificado, voltado para esse lado da técnica com os pés. Como parte física vai evoluindo, nós também vamos incrementando alguns aparelhos. A base é sempre a mesma, mas muda um pouco o modo de treinamento, com variações de exercícios".

Neymar

Além de responder perguntas sobre os goleiros da seleção, Taffarel também falou sobre a importância de Neymar dentro e fora das quatro linhas: "Vejo o Neymar em crescimento mental e psicológico muito grande. Desde que o conheci aqui dentro, percebi isso. Ronaldo, Romário são diferentes, especiais também. Mas temos que deixar isso de ele ser especial. É um cara muito alegre, descontraído, feliz. Não precisa de ajuda minha. Vejo que ele tem relacionamento fantástico com os jogadores. Além dessa genialidade dele, com essa forma de viver, alegre e espontânea, ajuda muita gente aqui".

Leia também: Ele fica! Novo técnico convence Neymar de permanecer no PSG, diz jornal

Alisson , Ederson ou Cássio: quem deve ser o goleiro titular da seleção brasileira na Copa do mundo da Rússia? Deixe sua opinião nos comentários abaixo.

    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.