Pedro esteve no time titular do Flamengo na partida contra o Altos, no último domingo (01)
Gilvan de Souza / Flamengo
Pedro esteve no time titular do Flamengo na partida contra o Altos, no último domingo (01)

A diretoria do Flamengo tratou o discurso em tom de desabafo do atacante Pedro (confira galeria de fotos abaixo) mais como um recado para os críticos que tentam opinar sobre os rumos da carreira do jogador do que como um ameaça de saída ou de que o atleta não está satisfeito com o clube ou com o técnico Paulo Sousa.


No entendimento dos dirigentes do Flamengo, ainda não há necessidade de aceitar a transferência do jogador, que no começo do ano esteve no radar do Palmeiras. Na ocasião, houve uma sondagem para pagar 20 milhões de euros pelo jogador, mas o Flamengo não quis nem abrir negociações. Após marcar um gol na vitória sobre o Altos-PI, Pedro falou sobre seu momento.

"Desde que cheguei aqui no Flamengo procurei me entregar e me doar ao máximo. Todos os dias. Em campo, no dia a dia e me cuidando fora dele. Entreguei muito em 2020 e 2021. Tenho consciência disso. Por escolhas de quem aqui estava, o que entreguei não foi suficiente. Estou feliz por não estar entre os 11 e não jogando os principais os jogos? Claro que não."

"Se tivesse, certamente, penduraria as chuteiras. E isso nada tem a ver com o trabalho da comissão atual e o Paulo. E sabe o que mais me alegro? Consegui vencer meus pensamentos negativos e aqui estou. Forte. Fazendo o que é necessário. O que será daqui pra frente? Não consigo prever."

"Uma coisa é certa: minha dedicação e empenho com essa camisa serão sempre íntegros Pela instituição e seus torcedores, que me abraçaram desde o meu primeiro dia. Tenho meus sonhos e objetivos pessoais. Para realiza-los, não preciso ser antiprofissional. Vou seguir 100% no Flamengo até quando for para ser", afirmou Pedro.

Leia Também

A realidade financeira do Flamengo ainda permite o clube se dar ao luxo de ter Pedro como reserva de Gabigol. O déficit do primeiro semestre de 2020, de R$ 63,6 milhões, divulgado nos últimos dias, se dá em um período do ano com menos receitas. E o Flamengo tem concentração de dinheiro mais à frente no ano. Ou seja, os recebíveis de venda e obrigações de compra se equilibram.

No caso de Pedro, há R$ 36.758 milhões ainda em aberto para serem pagos à Fiorentina, de um total de R$ 102.641 milhões gastos entre direitos econômicos e intermediação da compra. O relatório sobre os números do primeiro semestre indica que a janela de meio do ano será uma oportunidade para reforçar o time e também vender jogadores. Mas sem alarde.

"Teremos ainda a janela de transações de meio do ano, normalmente a que envolve maiores valores devido às movimentações de clubes europeus em seus elencos, e o Flamengo estará atento a oportunidades que sejam importantes tanto para reforço de seu próprio elenco quanto para alguma nova venda", afirma o clube.

O Flamengo tem a pagar R$ 181,8 milhões, sendo R$ 87,3 milhões referentes à compra de jogadores no curto prazo (próximos 12 meses a partir de março 2022), e R$ 94,5 milhões parcelados de abril 2023 em diante.

Por outro lado, há R$ 127,6 milhões a receber, sendo R$ 57,8 milhões no curto prazo e R$ 69,8 milhões no longo prazo. A balança aponta R$ 29,5 milhões em valores a pagar maior que a receber.

A diretoria diz que há reservas para amortecer essa lacuna, mas o objetivo não é usá-las, mas sim preservar esse “colchão” para momentos de crise ou para oportunidades únicas de investimento.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários