Goleiro Raphael Aflalo é condenado por homicídio culposo
Divulgação
Goleiro Raphael Aflalo é condenado por homicídio culposo

O jogador de futebol Raphael Aflalo, que já foi goleiro do Corinthians, foi condenado por homicídio culposo pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP). Ao conduzir um carro em alta velocidade, mesmo sem possuir habilitação, ele causou a morte de um jovem em 2017 na cidade de Santos, e ainda deixou uma segunda pessoa gravemente ferida. Raphael joga atualmente pelo Felgueiras, emprestado do Portimonense, em Portugal.

Veja abaixo galeria de fotos de Raphael Aflalo:


A sentença, assinada pelo juiz Leonardo de Mello Gonçalves no últmo dia 2, ficou determinada em três anos e sete meses de prisão em regime inicial aberto, mas foi substituída pelo pagamento de 10 salários mínimos para uma instituição a ser indicada pelo Juízo das Execuções Criminais, assim como prestação de serviços à comunidade. Ele também está proibido de tirar carteira de motorista por ora. Cabe recurso.

De acordo com os autos do processo, Raphael dirigia um veículo BMW por volta das 17h do dia 9 de abril de 2017 na Avenida Doutor Epitácio Pessoa quando matou Matheus da Silva Souza do Nascimento e feriu seu padrasto, Charles Nascimento da Silva. Ao fazer a denúncia, o Ministério Público destacou que o acusado já estava com sua habilitação cassada devido a autuações de trânsito que recebeu, argumentando, portanto, que ele agiu de forma imprudente.

Leia Também

As vítimas atuavam como ambulantes na praia e finalizavam o dia de trabalho empurrando um carrinho de lanches pela via até o ponto onde o guardavam. Enquanto isso, Raphael se aproximava dos homens de carro. Quando um sinal abriu, ele pisou no acelerador e atingiu a velocidade de 100 quilômetros por hora, ainda que o limite naquela área fosse de 50 quilômetros por hora. Testemunhas relataram que ouviram o automóvel "cantando pneus", o que chamou atenção de quem estava próximo. Diante disso, também surgiram depoimentos de quem viu o carro andando em zigue-zague.

Na hora da colisão, Matheus foi atingido primeiro, tendo sido arremessado a 13 metros de distância. Conforme apuração da necropsia, ele sofreu graves ferimentos, como "fratura da maxila direita, afundamento de crânio na região occipital com perda de massa encefálica e grande escalpo de pele, fratura exposta do ombro esquerdo e fratura complexa com grande laceração do tornozelo esquerdo". Já o outro homem apresentou ferimentos mais leves.

O TJSP entendeu que o jogador "assumiu o risco de produzir a morte de Matheus e Charles sendo indiferente quanto à previsibilidade da ocorrência do atropelamento, bem como que empregou recurso que impossibilitou a defesa das vítimas, pois estas estavam de costas para o fluxo de veículos e não avistaram a aproximação do veículo do acusado que vinha em grande velocidade".

Em interrogatório, Raphel disse que estava a caminho da casa da avó, onde jogaria vídeo game e assistiria a um jogo do Brasil com seus amigos. Quanto estava perto do destino, percebeu que tinha esquecido o vídeo game em casa e voltou para buscar. Ele reconheceu que errou ao ter pego o carro naquele dia e que se arrependeu.

Consta no processo ainda a informação que Charles recebeu valor equivalente a 10 salários mínimos em nome do autor pelo tempo que ficou sem poder trabalhar devido ao atropelamento e aos danos ao carrinho de lanches.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários