Jorge Jesus
Divulgação
Jorge Jesus

Em 17 de julho de 2020, o técnico Jorge Jesus deixou oficialmente o Flamengo. Após um encontro com o vice-presidente de futebol rubro-negro, Marcos Braz, o treinador comunicou que aceitou retornar ao Benfica e o clube brasileiro oficializou a saída, em comunicado à imprensa.

Porém, escutas telefônicas divulgadas nesta quarta-feira, pelo jornal "Record" - conseguidas na investigação "Cartão Vermelho" -, revelam que a negociação entre o treinador e o clube português só foi finalizada algumas horas antes da apresentação de JJ, que ocorreu no dia 3 de agosto, diante de uma série de novas exigências de Jesus.

Em uma conversa telefónica, Domingos Soares de Oliveira, então CEO da SAD do Benfica, explicou a Miguel Moreira, então diretor-financeiro do clube, que o advogado do técnico recusou praticamente toda a minuta do contrato, em vários pontos.

Leia Também

Leia Também

Entre as discórdias, o técnico queria que o valor líquido a ser pago pelo clube português estivesse no contrato. O treinador também desejava que o Benfica ficasse responsável por todos os impostos daquilo que ganhou enquanto treinou o Flamengo.

O técnico recusou ainda assinar dois anos de contrato com a opção de mais dois. Por fim, Jesus também não aceitou a exigência de uma cláusula de confidencialidade em relação ao seu direitos de imagem.

Em outra conversa, Luís Filipe Vieira, então presidente do Benfica e que foi preso na operação em questão, pediu a JJ para dizer a quem o questionasse que apenas os dois sabiam das possíveis contratações do clube e apelou para negar qualquer tipo de negócio como o de Cavani, já que não queria ser acusado pela imprensa de ter fracassado. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários