Robinho
Reprodução/Instagram
Robinho

Em alta com o Coritiba nesta temporada, Robinho retornou ao time no começo deste ano após fazer uma passagem apagada no Grêmio. Em entrevista exclusiva ao iG Esporte, o meia comentou sobre sua temporada com o Grêmio e os motivos que o levaram a retornar para o Coxa.

(Confira abaixo a galeria de fotos de Robinho, e relembre seus momentos no futebol brasileiro)


"O ano de 2020 para mim foi muito difícil. A pandemia, eu ter ido para o Grêmio e não conseguir render talvez tenha sido minha maior decepção como atleta, não ter conseguido jogar no Grêmio, porque eu tinha muita expectativa, era um time que encaixava muito bem com a maneira como eu e os jogadores que tinham lá jogam, com um treinador espetacular que é o Renato", disse Robinho.

"Me frustrou muito, me deixou muito triste. Em 2019 já tinha sido um ano muito ruim para a minha equipe lá no Cruzeiro, e para mim, com o rebaixamento. Estava incomodado, e quando surgiu a oportunidade de voltar para o Coxa... eu fui muito feliz aqui, né? Daqui fui para o Palmeiras, acho que fiz um dos meus melhores anos aqui, acho que 2013/14, junto com o Alex. Fui muito feliz, tenho muita alegria, minha família é do Paraná, então estou pertinho de casa. Sou de Sarandí, interior do Paraná. Meus empresários são de Curitiba eu tenho alguns amigos aqui, isso pesou muito para eu aceitar essa volta", completou.

Robinho revela que antes de retornar ao Coritiba, viveu momentos de incerteza acerca de como seria seu desempenho e ainda comenta o "favoritismo" do Coxa na Série B

"Olha... essa está sendo minha primeira Série B. Eu estava nessa dúvida de como seria. Porque muita gente falou, até teve um treinador de uma equipe que eu estava negociando, que também joga a Série B, falando que não dava para eu jogar lá, que eu era muito técnico e não conseguiria render na Série B. Aí eu falei assim: 'nossa, eu gostaria de ter jogadores técnico', até torço para o Coritiba contratar sempre jogadores técnicos, mas faz parte, cada treinador tem uma maneira de querer seu time. Eu não acho errado, mas vamos lá".

"Fiquei nessa dúvida, e quando começou eu vi que realmente é um jogo mais pegado, um jogo de mais marcação. E o jogador técnico acho até que sobressai um pouco mais, que às vezes penso que na Série A não conseguiria fazer esse tipo de jogada. Acho que hoje, sim, nós somos os favoritos, nós crescemos num momento que a competição está afunilando, no meio do primeiro turno a gente deu uma arrancada, manteve e depois deu outra arrancada, que fez com que a gente chegasse na liderança. Você vê que os times estão alternando muito, tudo muito próximo nas vitórias. Acho que hoje com o futebol que a gente vem jogando, com os jogos que a gente consegue vencer fora de casa, está nos credenciando a ser um dos principais concorrentes ao título.”

O Coxa lidera o campeonato com 45 pontos e se vê cada vez mais próximo de conquistar o acesso à Série A. E se o time está em ótima fase, pode-se afirmar que Robinho também está. Mesmo sem ter marcado um gol, o atleta figura entre os jogadores com mais passes decisivos nesta Série B, ele comentou sobre o assunto e também sobre seu posicionamento em campo.

"Tenho ajudado bastante o time, não tenho conseguido fazer gols, desde que cheguei não fiz gols ainda e isso tem me incomodado muito. Só que eu sou um cara que não penso só em mim, sabe? Vejo o futebol como um coletivo, e o time vencendo e eu podendo estar ajudando da melhor maneira possível, para mim é o suficiente".

"Acho que estou jogando bem, estou conseguindo fazer um papel tático que o professor Gustavo pede, que é atrás do Léo Gamalho, que atrapalha e incomoda muito os volantes e zagueiros, porque fica em uma posição que os caras acabam não conseguindo te marcar, porque você fica numa zona meio morta do campo. Estou conseguindo fazer bem esse trabalho, acho que a gente encaixou, temos grande jogadores que tem me ajudado muito e eu vou indo aí, trabalhando muito, treinando, quero muito subir e ser campeão. Quem me conhece sabe o quanto estou trabalhando para isso, então todos os jogos entro como se fosse o último, entro para dar a vida, para  vencer mesmo, porque eu sei que é um campeonato difícil, que está todo mundo muito próximo.”

MOMENTO TBT

Autor de vários golaços, Robinho se destacou muito em 2015 quando se tornou um dos principais jogadores do Palmeiras. O jogador caiu nas graças da torcida ao anotar dois gols de cobertura em Rogério Ceni, bem no ano de aposentadoria do ídolo São Paulino.

Sem dúvida nenhuma acho que foram os mais bonitos. Importantes, não!

Você viu?

"Eu coloco o contra o Corinthians na final da Copa do Brasil, porque numa final não tem como, né? Mas sem dúvida foi uma virada de chave na minha carreira. Tudo bem que naquele momento do primeiro gol eu já era titular, graças à Deus, do Palmeiras, já tinha conquistado minha vaga de titular ali com o Oswaldo de Oliveira. Aquele gol a imprensa e talvez o torcedor começoaram a olhar para mim de outra maneira. Às vezes olhava e pensava que eu era apenas o ‘Robinho que veio do Coritiba, uma aposta ainda’. Depois daquele gol, senti que teve uma afirmação de todas as áreas. Imprensa, torcida, o próprio pessoal do clube começou a me olhar de uma maneira diferente, os jogadores começaram talvez a me respeitar mais, não sei".

"Foi um marco na minha vida o primeiro gol, porque foi no Allianz, um clássico, logo aos três minutos, a gente precisava vencer porque tínhamos perdido o primeiro clássico contra o Corinthians, então mudou demais. Mas depois quando fiz o outro gol lá no Morumbi alavancou demais a minha carreira, mudou completamente, todo mundo já olhava para mim como o “Robinho que fez os dois gols no Rogério Ceni, o Robinho do Palmeiras”, aí eu vi que as pessoas não me confundiam mais com o Robinho ex-Santos, já sabiam quem eu era.”

E mesmo tendo caído nas graças da torcida, garantir uma vaga no time titular e fazer boas atuações, Robinho acabou deixando o Palmeiras em 2016. Na ocasião o técnico Cuca comandava o Verdão, e por opção preferiu utilizar outros atletas ao invés de Robinho. O jogador revela se houve alguma mágoa com Cuca e como foi o processo dessa ida para o Cruzeiro.

“Não! Se olhar por números, o número de jogos, gols e assistências que eu tenho, acho que nenhum meia conseguiu fazer isso. A não ser o Dudu, mas o Dudu eu coloco em outro patamar, em outro nível. Mas acho que ninguém chegou. Tenho 80 jogos pelo Palmeiras, e acho que 11 gols e 21 assistências, e ainda tiraram algumas assistências, que não sei qual o critério. Mas na minha conta deu mais assistências, não sei se teve algum meia que conseguiu esses números, claro né, não posso contar Alex, Rivaldo, esses caras são de outro mundo. Mas nos últimos 10 anos acho que ninguém teve esse número, a não ser o Veiga agora que está fazendo muitos gols".

"Não fiquei com mágoa, eu também achei estranha a minha saída porque naquele momento eu era titular absoluto, estava com números muito bons no Campeonato Paulista, chegamos novamente à semifinal igual no ano anterior, mas entendi quando o Alexandre (Mattos) veio falar comigo. O Cuca queria utilizar mais o Cleiton Xavier, talvez se eu ficasse lá o Cleiton não teria tantas oportunidades. Como não estava tendo".

"O Cuca queria dois jogadores do Cruzeiro, que eram Fabrício e Fabiano, dois laterais. Quando eu cheguei no Cruzeiro, o Toninho, que é o cara que faz o scout e analisa jogadores, contou que até duvidaram se o Palmeiras me liberaria. O pedido chegou até o Alexandre, que falou com o Cuca e assim liberaram. E foi muito fácil, o Alexandro Mattos me ligou, e falei que ia na hora. O Cruzeiro é um grande clube também. Claro que eu estava num grande momento no Palmeiras e na hora eu senti, mas o Cruzeiro é o Cruzeiro né... dispensa comentários".

"Quando cheguei lá o Toninho disse que não estavam acreditando que tinham conseguido me contratar, uma coisa inacreditável e que o Palmeiras acabou liberando, estava muito feliz. Também consegui para o Lucas ir junto, ele era recém capitão no Palmeiras. Também foi uma grande contratação do Cruzeiro, apesar de não ter conseguido render o que rendeu no Palmeiras, mas nas negociações acho que o Cruzeiro se deu melhor".

"Não fiquei com mágoa de maneira alguma, até logo depois a gente teve um jogo em Araraquara se eu não me engano, e o Cuca conversou comigo, perguntou se eu estava chateado com ele, respondi que não, de maneira alguma, sei que faz parte do futebol, estou muito feliz aqui e na minha visão pude conhecer o melhor treinador que trabalhei até hoje, que foi o Mano Menezes. Também foi um marco muito grande na minha vida tática, me ensinou muitas coisas da parte tática e me ajudou muito para o que vivi no Cruzeiro, no Grêmio e no que vivo hoje. Então pra mim foi muito bom, fui campeão duas vezes apesar de também ter sido campeão brasileiro no Palmeiras, mas para mim foi maravilhoso.”

Com o Coritiba se aproximando cada vez mais da Série A, a tratativa com reforços tende a ser diferente. E neste campeonato existem dois jogadores em específico que também possuem uma forte ligação com o Coritiba e também com o Robinho. Seria possível ter esperanças em um Coritiba com Rafinha, Miranda e Robinho? E será que Robinho pensa em encerrar sua carreira no Coxa? O atleta responde.

"Acho que sim, estou com 33 anos, não sei até quando vou esticar minha carreira. Estou vivendo cada ano como se fosse o último, estou trabalhando o máximo, não sei até onde vou, tenho mais um ano de contrato e vou trabalhar em cima disso".

"E já me imaginei, sim, jogando com Rafinha e Miranda, até fiz um jogo de final de ano com eles em Maringá, e meu Deus do céu, foi uma facilidade de jogar com os caras que vou falar, é outro nível. Miranda é o cara que entra, como foi no São Paulo, e muda o nível da defesa, é outro patamar. E o Rafinha dispensa comentários, ainda acho que ele vai melhorar no Grêmio para ajudar a tirar o time dessa situação, torço para isso. Mas também estou torcendo muito para que eles possam vir para cá um dia. Acho que ano que vem é difícil do Miranda vir porque acho que o São Paulo vai para Libertadores, brigar por títulos. Mas o Rafinha tem um ano só de contrato com o Grêmio, então quem sabe aí no final do ano a gente conseguindo o acesso, é um cara que pode vir aqui e tenho certeza que iria nos ajudar muito pela experiência, pela qualidade e por tudo que ele representa. Acho que é um cara que pode estar mais próximo, estaria muito feliz se ele pudesse vir sim, sem dúvida nenhuma.”

Confira abaixo o vídeo da entrevista exclusiva com o Robinho:


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários