Cabrera
Reprodução
Cabrera

Após ser preso no Rio de Janeiro, em janeiro desse ano , o jogador de golfe Ángel "Pato" Cabrera foi extraditado para a Argentina, sob acusações de violência de gênero. 

Ele foi levado, ao lado de outro compatriota acusado de feminicídio, para a cidade de Foz do Iguaçu, no sul do país. “Os presos passaram a noite custodiados na Delegacia de Polícia Federal em Foz do Iguaçu até a efetiva entrega, nesta terça-feira, 8 de junho, na ponte Tancredo Neves, na divisa com a cidade de Puerto Iguazu", confirmou a polícia federal.

Vale lembrar que, em maio, a justiça brasileira autorizou a extradição de Cabrera. Todo o procedimento de extradição foi acompanhado pelo Consulado Geral da Argentina no Rio de Janeiro, que prestou assistência durante a prisão do atleta.

(Veja na galeria abaixo fotos da carreira do jogador)

Até o início do ano, Pato era foragido na lista da Interpol, acusado de agredir e ameaçar suas ex-mulheres. Uma das vítimas, Cecília Torres, afirma ter levado socos no rosto e recebido ameaças de morte. De acordo com a PF, o argentino também responde por furto simples, ameaças e desobediência reiterada a autoridades, nos anos de 2016, 2018 e 2020.

Cabrera, como jogador de golfe, venceu o W.S Open em 2007 batendo o americano Tiger Woods, uma lenda do esporte. Ele também venceu, em 2009, o Masters, tornando-se, então, o primeiro sul-americano a ganhar as duas competições mais tradicionais do golfe.

O golfista estava impedido de deixar a Argentina, mas não respeitou a decisão. De acordo com o jornal Clarín, ele foi aos Estados Unidos e participou de torneios em 2020, mas deixou o país após o término do visto. Ele chegou ao Rio no dia 31 de dezembro.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários