Jair Bolsonaro
Reprodução
Jair Bolsonaro

Um dos jornais mais influentes da França, o L'Équipe comparou o "boicote de Bolsonaro a Tite " com o que aconteceu durante a ditadura militar , quando Médici , um dos presidentes mais autoritários do período, afastou  João Saldanha , jornalista que ocupava o cargo de técnico da Seleção Brasileira pouco antes do início da Copa do Mundo de 1970.

" Tite fica e o boicote acaba", escreveu o jornal estrangeiro ao noticiar a crise que tomou conta da CBF nos últimos dias .  A publicação francesa cita, inclusive, o jornalista brasileiro André Rizek, que afirmou que o presidente afastado da entidade máxima do futebol tupiniquim, Rogério Caboclo, teria prometido a Bolsonaro a troca do técnico Tite por Renato Gaúcho.

" Tite foi salvo pelo escândalo da CBF ", disse a reportagem. Ao citar o "escândalo", a matéria faz referência à acusação de assédio sexual contra Caboclo, por parte de uma funcionária da entidade, que resultou no afastamento do dirigente.

O L'Équipe associou toda a situação com o que ocorreu há 51 anos. Na ocasião, quando o país era governado por militares, João Saldanha comandava uma das seleções mais famosas do Brasil, composta por Pelé e companhia. Porém, o presidente da época,  Emílio Garrastazu Médici , afastou o treinador, considerado "comunista", às vésperas da Copa do Mundo de 1970.

"Hoje, a história se repete, com Jair Bolsonaro no papel do general Médici e Tite no de Saldanha", divulgou o jornal francês. O texto ressalta a visão que, para Bolsonaro , Tite e sua delegação seriam contra sua posição política. "O torneio caiu de paraquedas no país que continua a enterrar seus mortos e contabiliza mais de 470 mil óbitos desde o início da pandemia da Covid-19 ", ressaltou.

O torneio está previsto para iniciar em 13 de junho, com o duelo entre Brasil e Venezuela. O presidente Bolsonaro foi convidado para a abertura da competição.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários