Gabigol
Reprodução
Gabigol

Envolvido em uma grande polêmica após a  detenção de Gabigol em um cassino  clandestino -  fato que chegou à Justiça -, o documentário "Predestinado", produzida pela Globo para homenagear Gabigol, do Flamengo , contou com um veto prévio acertado entre as partes: a vida amorosa do atacante.

Segundo informações divulgadas pelo UOL Esporte, o contrato entre atleta e emissora vetava que o material contivesse qualquer menção à vida amorosa do jogador. "É vedado que o DOCUMENTÁRIO aborde, trate ou mencione, mesmo que através de terceiro, de qualquer aspecto da vida amorosa do atleta ou mencione qualquer terceiro relacionado a esse assunto", aponta a cláusula 2.

Além disso, a reportagem também confirmou os valores envolvidos entre as partes. Pelo documentário, a Globo desembolsou R$ 250 mil ao próprio Gabigol, e mais R$ 37,5 mil à empresa 4Comm, que gerencia a carreira do atacante do Flamengo.

O valor pode aumentar, já que, em caso de licenciamentos futuros para outras emissoras ou serviços de vídeo, os lucros seriam divididos: 50% para a Globo , 40% para Gabigol e 10% para a 4Comm. 

Na semana passada, o staff do atacante recorreu à Justiça para impedir que a Globo utilizasse em seu último episódio a detenção do atacante em um cassino clandestino de São Paulo, em meio a pandemia e as restrições impostas pelo governo da capital paulista. Nela, Gabigol e seus representantes acusaram a Globo de sensacionalismo e pediram que o último episódio fosse impedido de ir ao ar, sob pena de multa diária de R$ 2 milhões, porém, a ação não teve êxito. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários