Diniz
Divulgação
Diniz

O técnico Fernando Diniz não continuará no cargo de técnico do São Paulo. Pelo menos é isso o que garante o jornalista Arnaldo Ribeiro, que revelou no Posse de Bola que uma reunião hoje, com a presença da alta cúpula do clube do Morumbi, definirá a demissão.

Ainda de acordo com ele, um treinador interino seguirá com o time até o fim da temporada. Arnaldo Ribeiro aponta que já havia consenso de que o treinador não continuaria como técnico do São Paulo na próxima temporada, mas, após a última derrota para o Atlético-GO, os dirigentes optaram por antecipar a saída.

"Nessa segunda tem habitualmente, como tem em outros clubes, a reunião de cúpula do departamento de futebol, o novo presidente Julio Casares, os novos diretores, o Raí e o Muricy, e a definição, o consenso é pela troca de treinador. A saída do Diniz já estava, digamos, definida para o final da temporada há algumas semanas. O técnico do São Paulo da próxima temporada, que começa daqui a pouquinho, antes do final de fevereiro, não seria o Fernando Diniz e o São Paulo acreditou que ele conseguisse tocar o barco até o final do campeonato. Depois de mais uma derrota, nem até o final do campeonato isso será possível", diz Arnaldo.

O jornalista apontou ainda a publicação de Daniel Alves em suas redes sociais, na qual o capitão escreve sobre Diniz em um tom de despedida.

"É um janeiro completamente sem vitórias e não há como desculpar o comandante do time de suas ideias, de suas situações, eu vi até um post agora pela manhã do Daniel Alves, que é o outro símbolo desse time e há uma conexão com o técnico jamais vista no futebol, de um duplo comando, em que o técnico não pode tirar o jogador, em que o jogador banca o técnico, o Daniel Alves dizendo que a culpa não é apenas do líder Fernando Diniz, mas também já é uma espécie, você já vê ali também um tom de despedida, você consegue decifrar nas palavras do Daniel Alves", afirma Arnaldo.

Por fim, o jornalista analisou a passagem do treinador pelo tricolor. "E assim vai se encerrar, de uma forma melancólica, e não por falta de sinais, porque os sinais foram dados contra o Mirassol, na fase de grupos da Libertadores na não-classificação, na Sul-Americana contra o Lanús e no último momento, a derrota para o Internacional, concorrente direto, no Morumbi, maior derrota da história do São Paulo no Morumbi, por 5 a 1, e não foi tomada nenhuma atitude. Agora será, tarde demais. Mas não tarde, talvez, para assegurar o São Paulo entre os quatro primeiros colocados, que é o objetivo atual de quem será o próximo treinador do São Paulo para pegar o time na fase de grupos da Libertadores", conclui.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários