A reunião entre os clubes do Rio com a Ferj, na última segunda-feira, fez esquentar o clima entre o diretor de relações exteriores do Flamengo, Cacau Cotta, e o presidente do Fluminense,  Mário Bittencourt . Tanto que, mesmo dias depois, o assunto ainda é debatido. A discussão aconteceu porque os dirigentes exigiram respeito na maneira de falar um com o outro e houve troca de farpas. Ao canal 'Paparazzo RN', o dirigente rubro-negro se explicou.

Leia também: Abel Braga defende término dos estaduais por conta de pandemia

diretor
Nelson Perez/FluminenseF.C.
Mário Bittencourt, presidente do Fluminense


— Não sei a serviço de quem o Mário [Bittencourt] está. É um cara inteligente, advogado esportivo e trabalhista notório. Chegou à presidência do Fluminense por esse trabalho. Um cara de sucesso na vida profissional. Mas o Flamengo vai ser representado institucionalmente e não vai deixar ninguém falar mais alto em uma reunião. Ele vai respeitar o Flamengo, sim. Isso é assunto encerrado. A reunião já tinha mais de 3h, chegou a 4h com ele toda hora pedindo a palavra. Eu pedi que votassem a pauta da reunião. Vota sim ou não e ganha a democracia — iniciou Cacau Cotta :

Leia também: Crivella confirma treinos em junho e jogos sem público em julho

— Eu fui duro como deveria ser representando a instituição. Defendi as ideias que o Flamengo tinha naquele momento. Não sei o que o Mário está representando, o intuito dele, ele desde o inicio é contra tudo e contra todos e não tem argumento técnico. O Flamengo dá uma aula no mundo inteiro na parte de medicina esportiva, fazendo exame nos atletas. Está fazendo, junto com a Ferj, um cronograma de volta gradual do esporte, com segurança. Que fique claro, o Flamengo tem sensibilidade, sim, tem trabalhos sociais importantes, e não entendi o que o Mário quer. Mandou uma carta pra Ferj tentando cancelar alguns intens a reunião, quem vai decidir isso é o Marcelo Viana e o Rubinho. Tenho certeza que vai prevalecer a maioria — completou.

Após a declaração, Cacau alfinetou Mário Bittencourt e disse não entender porque o presidente do Fluminense é "contra tudo e contra todos". Depois, alegou que um dos motivos poderia ser o fato do clube "estar acostumado a resolver as coisas na parte jurídica".

— Tem uma pessoa que é contra tudo e contra todos os tempos. Não dá para entender ao que ele está a servindo. Talvez porque o Fluminense está acostumado a resolver as coisas na parte jurídica. É da origem dele. A bola está com a Ferj. Eu espero que não chegue nesse ponto e que o Mário entenda que não é mais o advogado do Fluminense, hoje ele é presidente do Fluminense e tem que ver como um todo. Que se resolva no diálogo, dento do campo.

Leia também: Presidente do Vasco detona dirigentes de Botafogo e Fluminense

Após a declaração, o Fluminense foi procurado para se manifestar sobre e, caso queira responder, esta nota será atualizada.

    Leia tudo sobre: Futebol

    Veja Também

      Mostrar mais