teich
José Dias/PR
Ministro da Saúde, Nelson Teich – Ministério é favorável à retomada do futebol, mas alertou CBF sobre falta de testes

Em documento enviado nesta quinta (30) à Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o  Ministério da Saúde se mostrou favorável à retomada dos jogos de futebol sem público e com medidas de saúde e higiene adequadas por conta da pandemia da Covid-19. Por outro lado, o Ministério pontuou que, para isso, será necessário testar todos os trabalhadores envolvidos nas partidas (não apenas os atletas), além de seus familiares.

O Ministério sugere na minuta que a CBF "garanta a realização dos testes e avaliações constantes não apenas nos atletas, mas também que seja ofertado aos membros das comissões técnicas, funcionários e colaboradores, assim como respectivos familiares e contactantes próximos". Mas a preocupação é com a falta de testes rápidos frente à necessidade de atender à população.

A minuta foi uma resposta ao protocolo médico nacional da CBF, chamado de "Guia para Retomada Progressiva".

Mesmo assim, o Ministério da Saúde se diz favorável à retomada cuidadosa porque "reconhece que o futebol é uma atividade esportiva relevante no contexto brasileiro e que sua retomada pode contribuir para as medidas de redução do deslocamento social", já que poderia manter as pessoas em casa, assistindo às transmissões durante o isolamento.

Leia ainda:  26 anos sem Senna – relembre bons e maus momentos do piloto

Confira as recomendações finais do documento do Ministério à CBF:

"Em que pese a importância do assunto, ressaltamos a necessidade de que os planos considerem para a definição da retomada e realização das partidas:

1. O perfil epidemiológico apurado pelas autoridades de saúde municipais e estaduais previamente às atividades de treinamento e realização dos jogos.
2. A adoção de ações que garantam o distanciamento adequado e seguro entre os profissionais que atuam na organização das atividades previstas;
3. A garantia de que os treinamentos e as partidas ocorram com os portões fechados;
4. A efetivação de estratégias e meios para que não ocorram aglomerações nas imediações dos locais onde as partidas serão realizadas;
5. A garantia de que os profissionais envolvidos e jogadores que apresentem sintomas sigam as orientações médicas para a quarentena.
6. Sugere-se assim o envolvimento de outros setores governamentais, tais como: Ministério da Economia, Ministério da Cidadania, Ministério da Justiça e Segurança Pública, Casa Civil, Anvisa, Entidades representativas de estados e municípios."

    Veja Também

      Mostrar mais