Campeão mundial com a Espanha em 2010, Pepe Reina revelou que temia pela sua vida enquanto lutava contra o novo coronavírus devido a falta de ar que sentia. Emprestado ao Aston Villa, o goleiro informou no início deste mês que estava com a doença e a classificou como "o pior momento de sua vida".

Leia também: Mesa-tenista paralímpica brasileira morre com suspeita de coronavírus

Pepe arrow-options
Reprodução
Pepe Reina


Ao jornal italiano 'Corriere Dello Sport', o jogador de 37 anos se abriu ao falar sobre a terrível experiência com a Covid-19 e afirmou ter sentido "infinitos minutos de medo".

- Estou vencendo a batalha contra o coronavírus. O momento mais difícil foi quando eu não conseguia mais respirar, nos 25 minutos em que fiquei sem oxigênio. Foram os piores momentos da minha vida. O único medo real que tive foi quando compreendi que não havia oxigênio: infinitos minutos de medo, como se de repente minha garganta se fechasse - declarou o goleiro.

Leia também: Ex-dirigente do Náutico morre aos 33 anos com suspeita de coronavírus

O espanhol, que está emprestado pelo Milan, disse que tomou as precauções necessárias depois que começou a se sentir mal, apesar de não ter sido testado positivo. Ele está em isolamento junto a seus familiares.

- Não sinto falta [do futebol] pois sou eu, minha esposa Yolanda, cinco filhos e dois sogros. A casa é grande e a solidão não tem acesso. Eu estava muito cansado depois dos primeiros sintomas do vírus. Uma febre, tosse seca e uma dor de cabeça que nunca me deixaram - era apenas aquela sensação constante de cansaço. Como resultado, passei os primeiros seis ou oito dias em ambientes fechados - completou.

- Foi uma semana diferente, de tomar precauções para não infectar as pessoas que moram comigoFalando com os médicos, os sintomas que eu tive eram disso, sem confirmação oficial, mas tudo apontava para isso.

    Leia tudo sobre: futebol

    Veja Também

      Mostrar mais