Peça fundamental do Corinthians na temporada de 2017, o volante Maycon é lembrado até hoje pela torcida alvinegra, já que, desde a sua saída, o clube do Parque São Jorge patina para conseguir encontrar um substituto à altura. Campeão Brasileiro e bicampeão Paulista, com direito ao gol do título diante do rival Palmeiras, na final de 2018, o jogador hoje brilha nos campos ucranianos.

Leia também: Ex-Corinthians fala do sonho de jogar com Messi e da amizade com CR7

maycon arrow-options
Reprodução
Maycon


Atuando em um país conhecido por ser uma das principais pontes para os mercados mais valorizados do futebol europeu, Maycon prefere, por enquanto, manter a cabeça concentrada no Shakhtar, tradicional destino de jogadores brasileiros. “Meu sonho era atuar na Europa e jogar uma Champions League. Hoje, graças a Deus, estou realizando. A Ucrânia tem uma boa visibilidade, é um mercado forte na Europa e daqui saíram grandes jogadores de grandes equipes, mas, estou vivendo o meu momento. Tudo tem seu tempo e hoje estou trabalhando para que as coisas ocorram da melhor forma possível, para que possa jogar o máximo de partidas e ter boas atuações com a camisa do Shakhtar”, diz ele, em entrevista exclusiva ao iG.

Leia também: Goleiro celebra renovação com São Paulo e apoia parada no futebol

Com contrato com o Shakhtar Donetsk até 2023, o volante, que tem apenas 22 anos, também vem conquistando seu espaço na seleção nacional. No início do ano, convocado pelo técnico do sub-20, André Jardine, foi peça fundamental e ajudou o país a garantir uma vaga na Olimpíada de Tóquio, transferida para 2021 por conta da pandemia do novo coronavírus. Porém, é na seleção principal que mora um dos principais desejos do atleta. “Estar na seleção olímpica era um objetivo pessoal que consegui atingir. Vestir a camisa do Brasil é sempre uma honra, não importa a categoria. Todos os jogadores almejam isso e estar no radar (da principal) é importante. Mas, tem jogadores de extrema qualidade disponíveis e tenho que trabalhar ao máximo para que, se um dia chegar a oportunidade, ainda mais numa Copa do Mundo, esteja pronto”, comenta.

Sua participação do jogador no Pré-Olímpico da Colômbia, aliás, esteve bastante ameaçada, por conta de uma contusão no joelho que o deixou mais de seis meses fora dos campos. Na época, uma foto na sua conta pessoal do Instagram deixou os fãs assustados, já que Maycon apareceu com as duas pernas enfaixadas após a cirurgia. Isso ocorreu porque o ex-jogador do Corinthians precisou tirar um pequeno pedaço do ligamento do joelho direito para realizar um enxerto no joelho lesionado. Totalmente recuperado, o atleta não esquece aqueles que o ajudaram no momento mais difícil da carreira.

“Sou grato às pessoas que me ajudaram naquele momento difícil, torcedores, familiares e aos clubes. O Corinthians por ter me ajudado na recuperação e o Shakhtar por ter me liberado para tratar no Brasil, próximo das pessoas que amo. Hoje estou 100% recuperado e me sinto confiante”, diz ele, que voltou a atuar por 90 minutos no Shakhtar, retomando o excelente momento que viveu na chegada ao time ucraniano. “Tive um ótimo começo aqui no Shakhtar, com um bom número de jogos, gols e boas atuações. Infelizmente veio essa lesão, coisa que nenhum atleta quer passar, ainda mais num bom momento, mas é algo que já ficou no passado”.

Superada essa fase ruim, agora, seu reinício foi prejudicado pelo coronavírus. Na Ucrânia, último país da Europa a paralisar as competições, já foram confirmados cerca de 115 casos do vírus, além de quatro mortos. Por conta disso, nessa semana, o governo local declarou estado de emergência, com o intuito de ampliar a luta contra a pandemia. De acordo com Maycon, a população local está seguindo as orientações.

maycon arrow-options
Reprodução
Maycon


Leia também: Presidente da Fifa pensa em reformar futebol após crise do coronavírus

“O coronavírus é uma preocupação mundial e vejo as pessoas daqui respeitando muito as orientações para a prevenção contra a propagação do vírus. As pessoas evitam ao máximo sair de casa e nos comércios que estão abertos é liberada a entrada somente com máscara. Todos estão preocupados e cientes da responsabilidade para que possamos, o mais rápido possível, voltar à rotina e a nossa vida normal”, conclui.

    Leia tudo sobre: Futebol

    Veja Também

      Mostrar mais