Ronaldinho Gaúcho posa com policial no Paraguai
Reprodução
Ronaldinho Gaúcho posa com policial no Paraguai

Ídolo mundial, Ronaldinho Gaúcho foi tietado até mesmo quando foi depor no Ministério Público do Paraguai, na manhã desta quinta-feira, sobre o porte de documentos falsos.

Uma das autoridades no local pediu para tirar uma foto com o jogador, que vestia uma camiseta de quase R$ 5 mil de uma marca de luxo no momento do registro. O ex-meia do Barcelona parece sorridente e até faz o seu famoso gesto de "hang loose" com as mãos no momento em que a foto foi tirada. A imagem logo viralizou nas redes sociais, assim como os memes sobre o assunto.

Ronaldinho e o irmão, Roberto de Assis Moreira, foram detidos na noite de quarta-feira no Yatch e Golf Club. O ex-craque responsabilizou o empresário Wilmondes Sousa Lira, de 45 anos, que o representa no país vizinho, por portar o documento adulterado. Segundo seu um dos seus advogados, Adolfo Marín, "Ronaldinho está chocado e ainda não entende o que aconteceu".

O defensor disse, ainda, que o ex-meia do Barcelona está disposto a colaborar com as autoridades e responder a todas as perguntas tanto quanto ele pode saber. No entanto, o advogado esclareceu que não há muitas informações com as quais o ex-futebolista possa lidar. Marín alegou que Ronaldinho simplesmente pegou os documentos que lhe foram oferecidos quando chegaram e deve ser considerado vítima, juntamente com o seu irmão, Roberto de Assis Moreira, porque caíram no uso de passaporte falso e documento de identidade, quando "eles não precisavam fazê-lo.

"Ele poderia entrar sem problemas com seu passaporte e carteira de identidade brasileira. Ele não é especialista em documentos. Ele acreditaria que eles deram a ele esses documentos de cortesia, de forma honorária. Eles desceram do avião com efervescência, lhes pediram os passaportes, eles os entregaram e aí veio o dilúvio", disse o defensor.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários