Gabigol é ídolo da torcida do Flamengo, especialmente da garotada. Mas em muitas vezes, a idolatria vem de crianças de outros times. Na partida contra o Grêmio, em Porto Alegre, pelo Brasileiro do ano passado, o atacante rubro-negro fez a alegria dos fãs mirins gremistas.

Leia também: Gabigol brilha, marca 3 e Flamengo goleia na estreia da Taça Rio

gabigol
Lucas Tavares/Zimel Press/Agencia O Globo
Gabigol marcou o segundo gol do Flamengo contra o Fluminense


Além disso, devem se seguir licenciamento de produtos, que podem trazer ganhos compensadores, à maneira de Neymar. Entre os projetos, está a criação de um boneco do camisa 9, que viraria personagem da Turma da Mônica. O foco são as crianças.

— Sei que sou referência para crianças e apaixonados pelo Flamengo. A marca é feita de elementos que me representam, como atitudes, gestos, comportamento e disciplina. Recentemente construímos meu logo baseado na minha comemoração — diz ele, famoso por mostrar o “muque”. A Nike, que já o patrocinava, também deu início a uma série de comerciais.

— Ele tem um valor que é bem intangível, que é a imagem, com reflexo para o clube. Valorizamos essa cadeira de percepção de valor — diz Junior Pedrozo, seu empresário: — O nosso direcionamento agora muda com ele. Como ele não tinha contrato longo com o Flamengo, não podíamos avançar em várias oportunidades. A meta de gols de Gabigol também muda. A ideia é bater novos recordes.

Leia também: Elenco do Flamengo volta a provocar: 'o Palmeiras não tem Mundial'; assista

- Sei da minha responsabilidade, sei do quanto foi investido para eu ficar no Flamengo, então tudo isso faz com que a responsabilidade aumente. Quero estar sempre em campo para poder ajudar o Flamengo, com gols, assistências, dando carrinho (risos)... Eu sempre quero ser melhor que o ano anterior, então espero que possa bater recordes em 2020.

A preocupação do atacante agora se volta também para o lado social. Vindo de uma infância humilde, o jogador quer retribuir o carinho dos mais carentes sempre que possível. De preferência as crianças, com as quais se relaciona por todo Brasil.

- Eu adoro crianças, sempre tive meus ídolos, queria estar perto, então sei o que passa na cabeça delas. Por isso procuro nunca perder essa essência. Somos jogadores, aparecemos na TV, mas somos humanos e tem gente se espelhando em nós. Precisamos dar exemplo, ser referência... - acredita Gabriel, dono de irreverência ímpar no Brasil:

- Eu, particularmente, fico muito feliz de ser uma referência para a criançada, de ver elas imitando as minhas comemorações, pintando cabelo de louro, levantando a plaquinha. Isso me motiva a criar as brincadeiras e exalar essa alegria no dia a dia, pois a criança tem um sentimento puro e verdadeiro.

    Leia tudo sobre: Futebol

    Veja Também

      Mostrar mais