Entrada do Ninho do Urubu%2C o CT do Flamengo no Rio de Janeiro
Twitter/Reprodução
Entrada do Ninho do Urubu, o CT do Flamengo no Rio de Janeiro

Até março, o Ministério Público do Rio irá denunciar os responsáveis pela tragédia do Ninho do Urubu. Até lá, os dirigentes da gestão atual e passada do  Flamengo  não estão imunes de serem denunciados à Justiça, pela morte de dez atletas das categorias de base do Flamengo, segundo uma fonte que atua nas investigações. A Polícia Civil investigou o incêndio, que destruiu o alojamento onde os jogadores dormiam, em 8 de fevereiro do ano passado.

Leia também: "Eles ganham troféu, eu um caixão", desabafa pai de vítima de incêndio no Ninho

O EXTRA apurou que as investigações constataram que as instalações dos contêineres, que serviam de dormitório para os jogadores, não eram adequadas — o que pode acarretar ainda a responsabilização da fabricante das estruturas no rol de denunciados.

Além disso, chamou a atenção no inquérito que as especificações dos disjuntores dos aparelhos de ar-condicionado eram inadequadas. Quanto ao Flamengo , pesa o fato de não haver uma brigada de incêndio no local no momento da tragédia . Além disso, cabia ao clube a guarda dos adolescentes.

Na semana em que o alojamento do Ninho do Urubu do Flamengo pegou fogo, houve relatos de picos de luz. A perícia constatou que a variação de tensão elétrica não ocasionaria o incêndio, se tivessem sido observadas as questões técnicas das instalações.

A denúncia não necessariamente seguirá o rol de indiciados no caso. Segundo fontes, serão denunciados pelo Ministério Público do Rio todos os envolvidos que tenham, de alguma forma, contribuído para que a tragédia acontecesse, o que pode alcançar do vigia da unidade até alguém do alto escalão do Flamengo.

Em dezembro do ano passado, o MPRJ devolveu, pela segunda vez, o inquérito sobre incêndio à Polícia Civil. Na ocasião, o órgão precisava que a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) fornecesse cópia e informações sobre o certificado de clube formador de atletas de base do futebol. Anteriormente, em julho, a devolução teve argumento de que as provas apresentadas não eram suficientes.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários