vovó flamenguista
Carolina Barbosa/O Globo
Título do Flamengo emociona, e 'vovó torcedora' festeja na rua: "Foi um milagre"

O clima era de Carnaval fora de época. O relógio marcava 21h55 quando a chuva começou a cair sobre o Baixo Gávea, o popular BG, na zona sul do Rio de Janeiro, neste sábado (23). Mas o aguaceiro não espantou os torcedores rubro-negros, que se apinharam embaixo de marquises, dentro dos bares e se espalharam pela Praça Santos Dumont. Fogos, cornetas e animação tomaram conta da multidão, que entoava em um só coro hits como "Mengão do meu coração", "bicampeão" e o hino do time, é claro.

Entre os mais animados com o  resultado de 2 a 1 do Flamengo sobre o River Plate estava a psicóloga aposentada e professora da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) Ana Helena Moussatche, que, aos 79 anos, era reverenciada como uma artista enquanto cruzava o BG com faixa do time e cantando. Carioca da Tijuca, na zona norte, e moradora da Gávea, ela nunca pisou num estádio de futebol, mas garante não perder uma partida do rubro-negro .

"Sou flamenguista desde sempre. Jamais imaginaria a hipótese de torcer para outro time. O Flamengo nos representa como população, traduz a nossa garra, a nossa possibilidade de luta. Esse time é um fenômeno, um encontro de almas", filosofa ela, que complementa:

"Nunca pisei num estádio, mas assisto a todos os jogos e torço desesperadamente. Quando achei que ele pudesse num vencer, pensei que ficaria deprimida. Estava sentada sozinha na sala, aflita. Aí vieram os gols e comecei a gritar como louca, chorar e ligar para toda a família. Foi um milagre", acrescentou.

Leia também: "Não sou maior que o Flamengo", diz Gabigol após igualar feito de Zico

Terminado o jogo, ela resolveu se juntar a outros torcedores para celebrar.

"Já fui abordada por várias pessoas que me diziam que sou uma inspiração, que querem chegar à minha idade assim (comemorando). As pessoas da terceira idade, em geral, acham que sair e se unir aos jovens para celebrar é se expor ao ridículo. É uma tremenda bobagem. Essa manifestação é linda, representa o meu povo. Não podemos nos esconder. Temos que mostrar nossa emoção. Só por que estou com quase 80 anos (o aniversário é em 12 de dezembro), vou me privar de me divertir e interagir? Quero mais ver é esta alegria, que é rara. Estamos vivendo um momento histórico", celebrou.

Leia também: Tem G8: Título da Libertadores do Flamengo mexe com disputas do Brasileirão

Ana contou ainda que a vitória a deixou com vontade de ir ao próximo jogo do Flamengo no Maracanã. "Fiquei animada. Se eu encontrar companhia, eu certamente irei. Trabalho ali pertinho", conta, aos risos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários