Tamanho do texto

Quarto atleta mais longevo do atual elenco, Everton Ribeiro chega para a sua primeira final continental como protagonista pelo rubro-negro carioca

Lance


Everton Ribeiro arrow-options
Divulgação/Flamengo
Everton Ribeiro em ação contra o Vasco da Gama

Quarto atleta mais longevo do atual elenco, Everton Ribeiro chega para a sua primeira final continental como protagonista pelo Flamengo . Se em 2017, na Sul-Americana, o camisa 7 iniciou no banco, desta vez, pela Libertadores , será titular e capitão da equipe. Ou seja, pode ter o privilégio de repetir Zico e levantar a taça pela segunda vez na história do clube, após 38 anos.

Leia também: Palmeirense, Bolsonaro torce por título mundial do Flamengo

Por possuir a braçadeira, Everton Ribeiro esteve presente na protocolar entrevista coletiva desta sexta-feira, ao lado de Jorge Jesus , no palco da decisão, e admitiu que já pensou na possibilidade de levantar a Taça Libertadores da América.

Momento único, onde temos a chance de levantar uma taça, o maior objetivo do ano e entrar na historia do clube. Uma nação está vindo. Claro que já pensei em levantar a taça, mas foco total em fazer uma grande partida e conseguir o resultado.- afirmou o camisa 7.

Para conhecer um pouco melhor do perfil de Everton, o LANCE! conversou com Marcelo Oliveira, que foi essencial para a carreira do atleta de 30 anos. Hoje chamado de "Miteiro" pela Nação, anteriormente, o meia reforçou o Coritiba, em 2011, e o Cruzeiro, em 2013, graças às indicações do treinador.

Leia também: Vídeos: Torcida do Flamengo invade shopping em bairro nobre de Lima

"Trabalhei com o Everton Ribeiro de 2011 a 2014. Em 2011, eu o indiquei para o Coritiba quando ele ainda atuava pelo São Caetano (estava emprestado pelo Corinthians). Depois, para o Cruzeiro. As principais qualidades dele são o talento, a técnica, a inteligência e o poder de decidir o jogo em apenas uma jogada, pois é muito criativo", disse o técnico, atualmente sem clube.

De fora, não é possível ver Everton esbravejar, ficar em cima do árbitro ou dar instruções contundentes a todo instante. Então, o que o levou a utilizar a faixa de capitão? Marcelo Oliveira confessa que se surpreendeu com a escolha de Jesus, que se deu após a lesão de Diego Ribas. A justificativa pode vir de quem não está no dia a dia do Flamengo, mas que conhece o meia como poucos.

"Sinceramente, nunca vi, nesse tempo todo em que trabalhei com ele, uma liderança de capitão, liderança da fala, da orientação em campo. Ele evoluiu muito no Cruzeiro na parte física, pois fizemos um trabalho específico para isso. A liderança que ele pode ter, para ser o capitão, é a de postura. É dedicado, obediente, determinado para crescer e para ser um atleta melhor sempre. Além do quesito técnico e de todos confiarem no seu jogo. Acredito que esses atributos podem ter feito com que o Everton ficasse com a faixa de capitão", opinou.

Everton Ribeiro está perto da marca de 160 jogos pelo Flamengo. O mais especial, a ocorrer em poucas horas na capital peruana, pode coroar a sua brilhante temporada e importância no time, mesmo que silenciosa às vezes.

Leia também: Galvão também ficou fora da final da Libertadores vencida pelo Flamengo em 81

NÚMEROS DE EVERTON RIBEIRO PELO FLAMENGO
- 156 jogos (58 nesta temporada / 49 como titular)
- 23 gols (6 nesta temporada)
- 15 assistências nesta temporada
- 1 título carioca (2019)