Tamanho do texto

Clayton iniciou o Brasileirão pelo Bahia depois de ser cedido pelo Atlético-MG, voltou ao clube mineiro e atualmente está no Vasco, abrindo margem para discussão de uma suposta irregularidade por parte dos cruz-maltinos

Clayton, do Vasco, iniciou o Brasileirão pelo Bahia, cedido pelo Atlético-MG. Jogou uma partida só e foi devolvido ao Galo – não entrou em campo, mas esteve relacionado no banco em duas partidas. Depois, reemprestado ao Vasco, foi listado em 10 partidas.

Leia também: Cantora de funk fará apresentação antes de partida do Vasco nesta segunda

Clayton arrow-options
Reprodução/Instagram
Clayton, do Vasco


Para alguns, o jogador do Vasco seria irregular por ter sido relacionado por três clubes diferentes, à luz do artigo 11 do Regulamento da Série A, que veda duas transferências na mesma competição:

“Um atleta poderá, após o início do Campeonato, se transferir para outro clube da Série A, desde que tenha atuado por um máximo de seis partidas pelo clube de origem, sendo permitido que cada atleta mude de clube apenas uma vez."

Leia também: Mauro Cezar volta a atacar Luxemburgo e sugere técnico na seleção

Para outros, porém, o simples retorno de empréstimo – do Bahia para o Atlético-MG – não configuraria transferência com base no artigo 39 do Regulamento de Transferências da CBF, que diz que “o retorno de empréstimo não é considerado transferência.”

A questão agora é como se interpretará o fato de Clayton ter sido relacionado no banco do Atlético-MG, mesmo sem ter sido usado. O artigo 214 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva fala sobre “fazer constar de súmula atleta irregular”.

O prejuízo a que o Vasco concorre, a depender da leitura, é a perda de até 42 pontos, levando em conta as dez partidas em que o Vasco relacionou Clayton mais os 12 pontos que foram para São Januário quando ele jogou.

O caso já é conhecido dos departamentos jurídicos dos clubes ameaçados de rebaixamento , que permanecem em compasso de espera. Um dirigente deles afirmou que, à primeira vista, o caso é “bem controverso”.

"Vasco não é a Portuguesa"

Em entrevista ao Globo Esporte, o presidente cruz-maltino Alexandre Campello se mostrou tranquilo diante da situação e garantiu que não existe irregularidades.

Leia também: Ribamar revela detalhe inusitado sobre briga com Marí em Flamengo x Vasco

"Do ponto de vista jurídico, nós não temos a menor dúvida de que não existe qualquer irregularidade. Isso me parece muito mais uma tentativa de virada de mesa de quem corre o risco de cair. E virada de mesa é algo que não cabe mais nos dias de hoje. Além do que, o Vasco não é a Portuguesa", disse ele, fazendo alusão à Lusa, que acabou rebaixada nos tribunais em 2013

    Leia tudo sobre: Futebol