Tamanho do texto

Cristiana Brittes foi interrogada e questionada sobre uma frase que teria dito durante o crime; ela negou e afirmou que não queria que matassem Daniel

Lance


Cristiana Brittes, mulher de Edison Brittes - assassino confesso do ex-jogador Daniel Corrêa - foi interrogada, nesta quarta-feira, no Fórum de São José dos Pinhais, em Curitiba. Os interrogatórios do caso que envolveu o assassinato do jogador, em outubro do ano passado, seguem acontecendo. Questionada sobre uma frase que Cristiana teria dito, que a acusaria de saber do crime, a mulher afirmou "jamais" ter dito.

Leia também: Caso Daniel: Edison Brittes não responde perguntas em audiência

Cristiana Brittes arrow-options
Instagram
Cristiana Brittes



"Tem uma frase que foi dita, que você disse, que é a principal questão aqui do processo, que você disse, mais ou menos isso, "façam isso, mas façam longe daqui", questionou a juíza responsável por interrogar a esposa de Brittes no caso Daniel .

Contrariando a versão de uma das testemunhas, Cristiana se defendeu da acusação e afirmou não saber do crime momentos antes das agressões feitas em Daniel.

Leia também: Allana Brittes quebra o silêncio: "Quem procurou tudo isso foi o próprio Daniel"

"Nunca, jamais. Meu Deus, eu não queria que batessem nele, muito menos que matassem. Todo momento eu pedi ajuda, todo momento eu pedi para ligar para a polícia, para fazer alguma coisa, mas ninguém fazia nada".

Cristiana Brittes é acusada de homicídio qualificado por motivo torpe, coação do curso de processo, corrupção de menor e fraude processual. O interrogatório deve seguir até a sexta-feira, dia 9. A audiência estava marcada para agosto, porém, apenas três testemunhas foram depôr. Os outros envolvidos participarão nesta nova leva de audiências.

RELEMBRE O CASO

O empresário Edison Brittes assumiu, em depoimento à polícia, ter matado o jogador Daniel Correia, de 24 anos. O caso aconteceu na madrugada do dia 27 de outubro do ano passado, na casa de Brittes em Curitiba. Edison alegou que defendia a esposa de suposto estupro de Daniel, que estava no quarto do casal.

Leia também: Caso Daniel: Busca de Cris Brittes por casas de swing muda rumo da investigação

Para a Polícia Civil e o Ministério Público, não houve estupro. Seis acusados de se envolverem no assassinato estão presos e Evellyn Perusso, acusado de falso testemunho e calúnia na denúncia, responde em liberdade. Daniel estava atuando no São Bento, emprestado pelo São Paulo. O jogador também tem passagens por Coritiba e Botafogo.