Tamanho do texto

Afirmação veio em sentença dada em processo envolvendo torcedor do alviverde e a Adidas

Lance


Dudu
Twitter/Reprodução
Um juiz polemizou ao afirmar que o Palmeiras "sequer tem título mundial".

Um processo de um torcedor do Palmeiras contra a Adidas, que corre na 1ª Vara do Juizado Especial Cível de Ji-Paraná, no Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia (TJRO), levantou polêmica. Na decisão, ao argumentar os motivos que o fizeram indeferir o pedido do torcedor, o juiz Maximiliano Darci David Deitos afirmou que o Palmeiras "sequer tem título mundial". Este torcedor desejava danos morais e a entrega de uma camisa que comprou do clube pela loja da fornecedora de material esportivo, mas que foi cancelada pela Adidas por falta de estoque.

Leia também: Palmeirenses depredam banheiro da Arena Corinthians em jogo da Copa América

O LANCE! confirmou a decisão, divulgada inicialmente pelo site "Migalhas", datada do último dia 18. Este torcedor comprovou que efetuou a compra de uma camisa do Palmeiras versão 2016, modelo 2, em 12 de setembro de 2018, com na sequência a compra sendo cancelada pela Adidas por falta de estoque, bem como o estorno dos valores cobrados no cartão de crédito. O juiz lembrou que o torcedor "embora alegue que seja colecionador das camisas de um time que sequer tem título mundial (...) em nada impede que adquira o produto por meio de terceiros".

"Por mais que o requerente seja fanático torcedor do seu time, a simples fato do cancelamento da venda da camisa especial não dá ensejo aos danos morais. Enfatize-se, pois, que houve a justificativa da parte requerida, informando a falta de disponibilidade de estoque. Ademais, veja-se que o pedido foi cancelado em setembro de 2018 e somente em abril de 2019 o autor propôs a demanda, fato que demonstra a inexistência do abalo moral, ante o lapso temporal entre o ocorrido e a propositura da demanda", afirmou o magistrado em trecho da decisão.

A ação acabou sendo extinta, com julgamento do mérito. Cabe recurso deste torcedor do  Palmeiras na segunda instância do TJRO.

    Leia tudo sobre: Futebol