Tamanho do texto

Após excelente 2017, Bruno Henrique sofre com lesões e não consegue repetir as boas atuações que o fizeram ser cogitado na seleção brasileira

Bruno Henrique comemora gol pelo Santos
Twitter/Reprodução
Bruno Henrique comemora gol pelo Santos

O atacante Bruno Henrique não repete o momento mágico da temporada 2017, quando chegou como o maior investimento do clube para o ano, R$ 13,5 milhões pagos ao Wolfsburg da Alemanha, e até foi cogitado para defender a seleção brasileira. Mesmo no banco de reservas o camisa 27 do Peixe não foi aproveitado pelo técnico Cuca no empate diante do Grêmio. 

"Teve lesão grave. Quando voltou, teve uma segunda e uma terceira. Muscular, quadril e a vista. São três lesões em que o Bruno Henrique não voltou 100%. Volta 100% da visão, quadril, mas e o tempo para recuperar, condicionar? Ninguém quer saber quando entra, tem que jogar o que jogava", explicou o treinador alvinegro.  

Em 2017 o atacante foi o artilheiro do Santos na temporada com 18 gols. Além disso foi o segundo maior "garçom" da edição anterior do Campeonato Brasileiro com 11 assistências e o terceiro atleta da Série A com mais participações diretas em gols, 19. "Estava no auge, tipo Seleção Brasileira. Ele vai recuperar o grande futebol gradativamente, no banco e entrando até recuperar a posição de titular.", justificou Cuca. 

Nesta temporada o atacante disputou 19 partidas e marcou apenas dois gols. Esteve em campo em um jogo do Paulistão (quando feriu a vista contra o Linense), em duas oportunidades pela Copa do Brasil, uma pela Libertadores da América e 15 no campeonato nacional.  

Bruno Henrique vive a expectativa de ser aproveitado novamente como titular contra o Paraná, neste domingo, às 19 horas, em Curitiba, já que o comandante alvinegro sempre ressalta para os atletas a força do atual elenco.

    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.