Tamanho do texto

Novo presidente da Comissão de Direito Desportivo do IAB, Mauricio Corrêa da Veiga fez algumas considerações sobre mudanças no esporte

Bitcoins está sendo inserido aos poucos dentro do futebol
Justin TALLIS/AFP/Reprodução
Bitcoins está sendo inserido aos poucos dentro do futebol

Nesta terça-feira, o advogado Mauricio Corrêa da Veiga tomou posse como presidente da Comissão de Direito Desportivo do (IAB) Instituto de Advogados Brasileiros. O especialista destacou algumas pautas que serão objeto de debate na Comissão como a discussão acerca do pagamento de atletas através de bitcoins.

Leia também: Mercado da bola: valores das transferências no Brasil subiram 67% em 2017

Além do assunto bitcoins dentro do futebol, ele também defendeu a inclusão do direito desportivo como matéria obrigatória nas universidades e pretende ampliar o debate sobre a presença de transgêneros no esporte.

Sobre o pagamento dos jogadores em moeda virtual, Mauricio lembrou da recente contratação de um jogador por um clube de futebol da Turquia usando essa modalidade. Para ele, esse tipo de contratação deve se tornar uma tendência mundial.

"O Bragantino, por exemplo, já está aceitando o pagamento de patrocínio por meio da moeda virtual. Por isso, é necessário que haja um debate sobre os benefícios e desafios de se adotar este método de pagamento", afirmou.

Mais ideias além dos bitcoins

Mauricio Corrêa da Veiga defende bitcoins no futebol
Arquivo
Mauricio Corrêa da Veiga defende bitcoins no futebol

Mauricio ressaltou também que a inclusão do direito desportivo nos cursos superiores é a principal medida a ser adotada para que se haja um conhecimento mais amplo sobre o assunto, que é discutido sempre dentro do Brasil.

Leia também: Corinthians é o clube que mais pagou comissão para agentes nos últimos anos

"A obrigatoriedade da matéria nas universidades de direito é de extrema importância, pois tem uma característica multidisciplinar. Ela abrangeria o direito penal, trabalhista e outras especialidades no âmbito do direito desportivo. É uma porta de entrada para que os estudantes tenham contato com outras áreas do direito", explicou.

Além disso, o advogado lembrou que os brasileiros acompanham diversos eventos esportivos, como a Copa do Mundo de futebol, Campeonato Brasileiro e até mesmo os campeonatos na Europa. Portanto, para ele, é inconcebível que a matéria não esteja entre as obrigatórias.

"É indispensável que os futuros advogados tenham conhecimento sobre direito desportivo para acompanharem as mudanças e crescimento da indústria desportiva", afirmou.

Já na questão da inserção dos transgêneros nas competições esportivas, o advogado avalia que tudo tem que ser discutido e cita o caso da jogadora de vôlei transexual Tiffany Abreu.

Leia também: Confira mais notícias de futebol no iG Esporte

"Muitos acreditam que ela leva vantagem injusta, pois teve o desenvolvimento corporal sob influência de hormônios masculinos. E no caso de homens transgêneros, é necessário observar que o uso de testosterona por atletas é proibido pelo World Anti-Doping Agency, mas a situação é diferente em casos de transexuais, pois há uma quantidade ideal para não ser julgado como crime", finalizou.

O que você acha da posição de Mauricio Corrêa da Veiga sobre o uso de bitcoins no futebol, o direito desportivo nas universidades e a questão dos transgêneros? Comente abaixo.

    Leia tudo sobre: Futebol