Tamanho do texto

Australiana manteve a liderança do mundial de Surfe após vencer a decisão feminina. Quatro brasileiros vão disputar as quartas de final masculinas

A australiana Stephanie Gilmore segue firme na busca pelo seu sétimo título mundial de surfe com a primeira vitória conquistada na etapa brasileira do World Surf League . Ela ganhou o confronto direto pela liderança geral na final da etapa. Com o segundo lugar de Lakey Peterson, a surfista abriu quase 4.000 pontos de vantagem no topo do ranking geral.

Stephanie Gilmore vence título da etapa do rio da WSL
Daniel Smorigo
Stephanie Gilmore vence título da etapa do rio da WSL

Na quarta-feira de ótimas ondas de 4-6 pés na Praia de Itaúna, também foi decidida as quartas de final masculinas do mundial de surfe e os brasileiros vão disputar todas as baterias. Filipe Toledo ganhou a primeira nota 10 em Saquarema e Gabriel Medina, Michael Rodrigues e Yago Dora, também se classificaram para o último dia. Na quinta-feira, a primeira chamada do dia será as 6h45 em Saquarema.

As duas finalistas da chave feminina tiveram que entrar no mar para competir quatro vezes. A campeã começou o dia perdendo para a também australiana Nikki Van Dijk durante a segunda classificatória para as quartas de final. Depois, passou por Sally Fitzgibbons e pela própria Nikki Van Dijk nas semifinais, antes de conseguir sua primeira vitória no Brasil, surfando duas direitas na bateria final na Praia de Itaúna.

“Finalmente eu consegui vencer aqui, pois já faz um tempão que estou atrás de uma vitória aqui no Brasil”, disse Stephanie Gilmore. “Tive alguns momentos difíceis aqui e é sempre um desafio competir com tantas meninas talentosas que estão no Tour. Mas eu adoro o Brasil. Esse lugar é lindo e me diverti bastante. Consegui tocar minha guitarra num show com as meninas (Lakey Peterson e Carissa Moore) essa semana, peguei altas ondas e só quero agradecer a todos os fãs do Brasil. Muito obrigada amigos e já estou ansioso para voltar aqui no ano que vem", completou.

A norte-americana Lakey Peterson poderia recuperar a liderança do ranking se vencesse o torneio, mas ela só conseguiu achar uma onda boa e o placar terminou em 11,53 a 8,00 para a australiana. Para chegar na decisão do título, a californiana derrotou a gaúcha Tatiana Weston-Webb numa semifinal muito disputada, encerrada em 11,27 a 10,40 pontos. Antes, já tinha deixado a tricampeã mundial Carissa Moore nas quartas de final e só não venceu a sua primeira bateria no dia, quando a cearense Silvana Lima fez a melhor apresentação da quarta-feira, recebendo uma nota 8,90 e totalizando 15,90 pontos de 20 possíveis.

Chave masculina

Felipe Toledo ganha nota 10 com um aéreo incrível
Divulgação/Twitter
Felipe Toledo ganha nota 10 com um aéreo incrível

A chave masculina começou com um confronto 100% brasileiro para decidir os dois primeiros classificados para as quartas de final. O cearense Michael Rodrigues começou bem e liderou boa parte da bateria, até o paulista Filipe Toledo entrar em ação para comandar o show nas esquerdas de Itaúna.

Ele assumiu a ponta com uma nota 8,33 massacrando uma onda com manobras potentes e na seguinte arriscou um aéreo incrível, voando muito alto para fazer o giro completo no ar e aterrisar com perfeição. Os juízes concordaram com a vibração da torcida e deram a primeira nota 10 para ele se tornar o recordista absoluto do campeonato, com 18,33 pontos de 20 possíveis. Michael Rodrigues passou em segundo para as quartas de final e o pernambucano Ian Gouveia terminou em nono lugar na etapa brasileira do CT.

“Na verdade, naquela hora eu estava bem nervoso ainda, com medo do Ian (Gouveia) e do Michael (Rodrigues) virarem a bateria, pois são dois surfistas com imenso talento pra fazer isso. Mas aquela onda veio, eu estava no lugar certo na hora certa e Deus me abençoou com a nota 10”, contou Filipe Toledo. “Não foi uma onda boa para manobrar, então fiquei tentando sempre buscar a melhor sessão, consegui fazer uma manobra e quando eu tava chegando na parte boa dela, já estava vindo uma sessão animal pro aéreo e só pensei que a hora era aquela, então fui com tudo e deu certo, graças a Deus”, completou.

Pela primeira vez na história do World Surf League, iniciada em 1992, uma etapa valendo título mundial poderá ter quatro brasileiros disputando as semifinais. Isso porque eles estão em todas as baterias das quartas de final do Oi Rio Pro. A primeira será entre Filipe Toledo e o americano Kolohe Andino, o cearense Michael Rodrigues entra na segunda com o australiano Julian Wilson, que está defendendo a liderança do ranking do mundial de surfe , Gabriel Medina enfrenta o australiano Wade Carmichael na terceira e a briga pela última vaga nas semifinais será entre o catarinense Yago Dora e o havaiano Ezekiel Lau.  

    Leia tudo sobre: Surfe
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.