Tamanho do texto

Após 0x0 no tempo normal, Raposa derrota o Fla por 5x3 nas cobranças de penalidade e se torna pentacampeão do torneio nacional

O Cruzeiro derrotou o Flamengo por 5x3 nos pênaltis, após empate em 0x0 no tempo normal no Mineirão, e se sagrou campeão da Copa do Brasil de 2017. O jogo decidiu o título após o empate em 1x1 no Maracanã pelo jogo de ida. Um dos maiores destaques do Rubro Negro na temporada, o meia Diego perdeu sua cobrança, parando em bela defesa do goleiro Fábio, que aumenta ainda mais se status como um dos grandes ídolos da história do Cruzeiro.

Leia também: Com menos posse de bola, PSG vence o Bayern na França; veja análise

Jogadores do Cruzeiro comemoram o título da Copa do Brasil
Mowa Press
Jogadores do Cruzeiro comemoram o título da Copa do Brasil

O título deste ano é o quinto do Cruzeiro na competição, que já conquistou a taça nos anos de 1993, 1996, 2000, 2003. Ao lado do Grêmio, campeão do ano passado, a Raposa é o maior campeã da história da Copa do Brasil .

A partida começou bastante estudada, com as duas equipes tocando a bola com tranquilidade. Logo aos cinco minutos de jogo, Mano Menezes foi obrigado a fazer a primeira mudança. O atacante Raniel, que já substituia o suspenso Rafael Sóbis, sentiu as duas coxas e teve que deixar o gramado. O treinador colocou Arrascaeta no jogo. No minuto seguinte, o Fla teve a primeira chance da partida: Guerrero cobrou falta com precisão, mas acabou acertando o travessão de Fábio.

Com uma linha de três meias formada por Arrascaeta, Thiago Neves e Robinho, o time da casa tinha uma proposta de jogo de pouca velocidade e muita precisão, entregando a bola ao adversário e apostando em contra ataques. O Flamengo, por sua vez, começou a se soltar na partida, apostando nas rapidez de Berrío e Everton pelas pontas.

As primeiras chances do Cruzeiro vieram antes dos 15 minutos, ambas com Arrascaeta. Primeiro, aos 13 minutos, ele aproveitou rebatida de Willian Arão e finalizou da entrada da área para fora. No minuto seguinte, o uruguaio fez bela jogada pela esquerda e serviu Thiago Neves, que bateu por cima do gol da esquina da pequena área.

Tentando sair na velocidade, o Flamengo não conseguia vencer a boa marcação cruzeirense e ainda abusava dos erros. Aos 25 minutos, Arão entregou a bola de graça para Robinho na saída de bola. O meia avançou pela direita e serviu Arrascaeta, que bateu à direita do gol defendido por Muralha.

Leia também: Da ajuda de traficantes no RJ ao futebol da Macedônia: "Sou um milagre"

Após os 30 minutos, a equipe de Reinaldo Rueda começou a imprimir melhor seu ritmo de jogo, com menos erros de passe e mais volume ofensivo. Apesar disso, a marcação da equipe da casa continuava precisa, não deixando o time flamenguista assustar o goleiro Fábio. As equipes foram para o vestiário após uma primeira etapa disputada, mas de poucas chances claras de gol.

Cruzeiro e Flamengo disputaram a final da Copa do Brasil
Divulgação/Flamengo/Gilvan de Souza
Cruzeiro e Flamengo disputaram a final da Copa do Brasil

No intervalo da partida, Mano Menezes perdeu mais um titular. Robinho, também com dores na coxa, não voltou para o segundo tempo, sendo substituído por Rafinha. A entrada do jovem mudou novamente a maneira da Raposa jogar. Mais veloz e jogando em casa, o Cruzeiro começou a tomar conta do jogo, ficando mais tempo com a bola e rondando a área adversária.

O Flamengo, por sua vez, manteve sua postura ofensiva e, apesar de ficar menos tempo com a bola, seguia apostando nas jogadas em velocidade pelas laterais. Aos 18 minutos, Diego chutou de fora da área e obrigou Fábio a fazer boa defesa. Aos 23, o camisa 10 do Fla cobrou falta para dentro da área e o goleiro cruzeirense fez boa intervenção  e tirou a bola da área.

O segundo tempo era mais elétrico, com os dois times se agredindo, mas as chances reais de gol eram ainda mais escassas. Mérito de duas defesas atentas e bem postadas somado ao desempenho não tão inspirado das estrelas ofensivas das duas equipes. Aos 30 minutos, Mano Menezes se viu obrigado a fazer sua terceira substituição por conta de lesão. Alisson, com cãibras, deu lugar a Élber.

Leia também: Com Neymar, PSG se torna time estrangeiro que mais vende entre os brasileiros

Aos 33, a Raposa teve sua melhor chance no jogo: Thiago Neves cruzou da esquerda e Muralha deu um tapa na bola, que voltou na cabeça da Arrascaeta, de frente para o gol vazio. O uruguaio não teve tempo de ajeitar o corpo e acabou cabeceando para fora.

Com Paquetá no lugar de Everton o Rodinei na vaga de Berrío, o Flamengo não conseguia manter o ritmo nos minutos finais do jogo, e começava a aceitar a pressão do adversário. Aos 42, no entanto, Diego afastou do campo de defesa e Guerrero dominou na ala esquerda. Isolado no campo de ataque, o peruano conseguiu se livrar de dois adversários e finalizar da entrada da área. Fábio voou e fez grande defesa. Essa foi a chance derradeira da partida, que terminou com o placar inalterado. Após o empate nos dois jogos, o título foi para a decisão nos pênaltis.

Disputa de pênaltis

Após um jogo nervoso, as equipes foram para a disputa de penalidades. Henrique, pelo Cruzeiro e Guerrero, pelo Flamengo, abriram as cobranças e acertaram o gol. Os zagueiro Léo e Juan também marcaram. Na terceira cobrança, Hudson acertou para o Cruzeiro, mas o craque Diego parou em bela defesa do goleiro Fábio, que voou no canto direito para espalmar.

O #CRUZEIRO É PENTA, PENTA, PENTA CAMPEÃO DA COPA DO BRASIL!!!!

Uma publicação compartilhada por Cruzeiro Esporte Clube (@cruzeiro) em

Diogo Barbosa cobrou no ângulo e aumentou a vantagem da Raposa. Trauco acertou pelo Flamengo e diminuiu a diferença, mas Thiago Neves, o grande craque cruzeirense na temporada, bateu o pênalti derradeiro e deu o pentacampeonato da Copa do Brasil para o time celeste. Criticado, o goleiro Alex Muralha chamou a atenção por pular somente para um lado nas cinco cobranças.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.