Tamanho do texto

Vagner Mancini foi a última vítima, mas as demissões começaram ainda em fevereiro, quando o Coritiba demitiu Paulo César Carpegiani; veja a lista

A Chapecoense demitiu o técnico Vagner Mancini  na manhã desta terça-feira e se tornou o décimo segundo (equivalente a 60%) clube da Série A do Campeonato Brasileiro a mudar o comando nesta temporada. Na segunda-feira, a vítima havia sido Rogério Ceni , que não suportou a pressão e os seguidos maus resultados, e foi demitido pelo São Paulo.

Leia também: Saiba quem é a jornalista russa que acusou Maradona de assédio sexual

O primeiro a cair em 2017 foi Paulo César Carpegiani, em fevereiro. Ele treinava o Coritiba. No mesmo mês, foi a vez da Ponte Preta demitir seu técnico : Felipe Moreira. No mês seguinte, foi o Vasco da Gama quem demitiu seu treinador: Cristóvão Borges.

Com a demissão de Vagner Mancini, a Chapecoense se tornou o 12º clube da Série A a trocar o comando nesta temporada
Sirli Freitas/Chapecoense
Com a demissão de Vagner Mancini, a Chapecoense se tornou o 12º clube da Série A a trocar o comando nesta temporada

O quarto a ser mandado embora foi Daniel Paulista, que ficou no Sport somente até março. Após dois meses de "estabilidade", o Vitória decidiu movimentar o mercado e demitiu Argel Fucks. No mesmo mês, o Palmeiras decidiu interromper o trabalho de Eduardo Baptista.

Ainda em maio, o Atlético-PR decidiu "promover" Paulo Autuori de técnico para diretor de futebol. No mesmo mês, mais uma mudança no Sport: Ney Franco deixou o time após sequência ruim. No fim do mês, foi a vez de Guto Ferreira deixar o comando do Bahia. Na sequência o Vitória fez mais uma mudança quando Petkovic saiu.

Leia também: Neymar é o jovem mais bem pago do mundo esportivo, aponta estudo

No início de junho, Dorival Júnior, que estava no Santos desde julho de 2015, também foi demitido. Depois do início ruim no Brasileirão, Marcelo Cabo pediu demissão do Atlético-GO também em junho. Os últimos a caírem foram Rogério Ceni, que estava no São Paulo, e Vagner Mancini, ex-treinador da Chapecoense.

Os 'resistentes'

Coincidência ou não, os três primeiros colocados do Brasileirão estão com os mesmos treinadores desde o início da temporada. Fábio Carille, no Corinthians, Renato Gaúcho, no Grêmio, e Zé Ricardo, no Flamengo. Este último, inclusive, é o que está a mais tempo no cargo: desde maio do ano passado.

Zé Ricardo, do Flamengo, é o técnico que está a mais tempo no mesmo clube na Série A
Divulgação
Zé Ricardo, do Flamengo, é o técnico que está a mais tempo no mesmo clube na Série A

Os outros treinadores que ainda resistem são: Abel Braga, no Fluminense, Roger Machado, no Atlético-MG, Jair Ventura, no Botafogo, Mano Meneses, no Cruzeiro, e Claudinei Oliveira, no Avaí.

A lista dos técnicos dos times da Séria A

Atlético-GO: Doriva
Atlético-MG: Roger Machado
Atlético-PR: Eduardo Baptista
Avaí: Claudinei Oliveira
Bahia: Jorginho
Botafogo: Jair Ventura
Chapecoense: sem técnico
Corinthians: Fábio Carille
Coritiba: Pachequinho
Cruzeiro: Mano Menezes
Flamengo: Zé Ricardo
Fluminense: Abel Braga
Grêmio: Renato Gaúcho
Palmeiras: Cuca
Ponte Preta: Gilson Kleina
Santos: Levir Culpi
São Paulo: sem técnico
Sport: Vanderlei Luxemburgo
Vasco: Milton Mendes
Vitória: Alexandre Gallo

Com a instabilidade que é o futebol brasileiro, com certeza algum técnico ficará sem emprego até o final da temporada. Em 2016, 19 das 20 equipes trocaram seus comandantes, com exceção do Santos, que ficou o ano todo com Dorival Júnior.

    Leia tudo sobre: futebol