Tamanho do texto

Uruguaios do Peñarol foram pra cima dos jogadores do Palmeiras após o apito final e pancadaria generalizada por pouco não virou tragédia

Felipe Melo acerta soco na cara de Myer, meio-campista do Peñarol
Divulgação
Felipe Melo acerta soco na cara de Myer, meio-campista do Peñarol

O Palmeiras venceu, de virada, o Peñarol, fora de casa, nesta quarta-feira, por 3 a 2 e praticamente se garantiu na próxima fase da Copa Libertadores. Entretanto, nem tudo foi festa no estádio Campeón del Siglo, em Montevidéu. Após o final da partida, uma confusão generalizada ocorreu em campo e chegou até as arquibancadas.

Leia também: Santos e Flamengo também se envolveram em pancadaria com Peñarol; relembre

Não foi possível perceber onde iniciou a briga entre os jogadores do Palmeiras e Peñarol, mas o goleiro Fernando Prass começou a discutir com o meia Nandez e começou a pedir a expulsão do adversário. Logo depois, Felipe Melo chegou na confusão e o meio-campista Myer, reserva durante a partida, foi para cima do camisa 30.

Assista ao vídeo da confusão (crédito: Fox Sports)

Melo, então, recuou e Zé Roberto tentou o conter, mas o uruguaio se aproximou e o volante palmeirense acertou dois socos no rosto do adversário. Outros jogadores do Peñarol foram atrás de Felipe, que chegou a ficar cercado, mas a polícia local o protegeu.

No mesmo instante, em outro setor do campo, o goleiro alviverde foi cercado por três atletas uruguaios e acabou com um corte na boca. Com a confusão generalizada, os jogadores do Palmeiras tentaram ir para o vestiário, assim como a comissão técnica, mas o portão estava fechado e isso impediu o acesso dos atletas.

O goleiro do Palmeiras, Fernando Prass, foi cercado por jogadores do Peñarol covardemente
Reprodução/Twitter/FelipeZito
O goleiro do Palmeiras, Fernando Prass, foi cercado por jogadores do Peñarol covardemente

Pouco depois, após muita pressão, o portão foi aberto e Felipe Melo, assim como outros jogadores, foram retirados pelos seguranças. O atacante Willian, que ficou ferido no rosto, e Prass foram alguns dos que bateram boca com uruguaios, que ainda perseguiam os palmeirenses.

Arquibancadas

Logo depois do portão ser aberto, a torcida palmeirense, em sua maioria foramada por integrantes da Mancha Alviverde, se envolveu em brigas com torcedores comuns do Peñarol e até alguns seguranças do estádio. Latas de lixo e outros objetos foram lançados de um lado para o outro e os torcedores tentavam se acertar através das grades de proteção.

Mancha Alviverde e torcedores comuns do Peñarol também entraram em confronto após a partida
Reprodução/Twitter/FelipeZito
Mancha Alviverde e torcedores comuns do Peñarol também entraram em confronto após a partida

Parte dos uruguaios, que estavam em maioria, invadiram o lado dos palmeirenses, e vice e versa. A polícia demorou, mas chegou e acalmou a situação e conseguiu afastar os adversários.

Declaração polêmica de Felipe Melo

A pancadaria aconteceu justamente contra um adversário uruguaio, que ficou marcado pela declaração de Felipe Melo logo em sua apresentação, quando ele disse que daria “tapa na cara de uruguaio se fosse necessário”. Depois, o camisa 30 voltou atrás na declaração e afirmou que era apenas uma expressão.

Tudo bem com Prass

Ainda nos vestiários do estádio uruguaio, o goleiro Fernando Prass, que havia ficado com a boca sangrando, tranquilizou os torcedores palmeirenses e publicou uma foto em seu Twitter. "Tudo bem por aqui e feliz com a vitória!", escreveu.

Desabafo de Eduardo Baptista

A entrevista coletiva após o duelo, como era de se esperar, foi quente e Eduardo Baptista não poupou palavras para falar sobre a confusão e também criticar parte da imprensa por uma publicação que dizia que Róger Guedes seria escalado por pedido do diretor Alexandre Mattos, além de dizer que o técnico havia brigado com o atacante antes da partida semifinal do Paulista, contra a Ponte Preta.

William foi ferido no rosto durante pancadaria
Reprodução/FoxSports
William foi ferido no rosto durante pancadaria

"Poderia ter sido muito pior. Fecharam os portões e não deixaram a gente sair. Os seguranças da casa nos impediram de sair. Os nossos seguranças deixaram a gente sair. Lamentável. Viemos para jogar futebol. O Peñarol foi melhor no primeiro tempo, e o Palmeiras melhor no segundo", afirmou.

Leia também: Dirigentes de clubes da Inglaterra e da França são presos em ação policial

Veja imagens da briga entre os torcedores

“Colocaram algumas coisas sobre a minha pessoa que vão além do campo, além da parte tática. Eu escutei de uma pessoa importante, um cara de que sou fã, que o Róger Guedes jogou contra a Ponte Preta porque o Alexandre Mattos escalou, que eu era um treinador ‘maleável’. Eu sou um cara sério, batalhei para estar aqui e exijo respeito! Essa pessoa não falou a fonte. O Willian não jogou contra a Ponte porque ele ficou uma semana sem treinar, só treinou quatro horas antes. Se cobrou tanto em 2014, após a Copa do Mundo, que os treinadores estudassem, e estou vendo um monte de treinador surgindo. As pessoas têm de ter responsabilidade. Se tiver a fonte, fala a fonte, fala quem falou”, gritou o treinador.

“Você pode questionar uma substituição, uma escalação, eu respeito isso. Mas vocês conhecem a minha família, me conhecem como homem, conhecem meu pai, e eu respeito vocês. Falar mentira, falar que eu sou maleável, isso é ofender o homem. Você não foi leal! Fala quem foi a fonte! Quando você dá uma notícia, fala de onde veio! Porque você está falando com um cara sério aqui dentro, que dá a vida trabalhando”, acrescentou.

Leia também: Auditoria interna revela desvios de quase R$ 500 milhões na Conmebol

“Não tem mimimi, não tem briga, não tem p… nenhuma! Pode falar o que for, pode criticar o que for. Futebol hoje está parecendo revista de fofoca. O futebol está acima e eu procuro estar acima. Chega uma hora que ofende o homem, e eu sou homem para c… Se eu cair, se amanhã eu sair, será de cabeça erguida, saio olhando no olho de cada um. Eu não tenho fontes que não posso informar, minha fonte é o dia-a-dia, é o trabalho. É muita gente que fala de futebol e não sabe o que diz, aí ataca um homem, ataca um cara como o Felipe, um exemplo como Felipe Melo é, um cara profissional. Pode até me criticar, mas eu vou falar, é o momento que tenho para falar. A partir de hoje não adianta perguntar de pressão, se o Róger brigou… Quer falar comigo, pergunta de futebol, senão vai queimar pergunta”, finalizou o comandante alviverde.

Alexandre Mattos foi outro a falar e reclamar do que aconteceu depois do apito final e elogiou, indiretamente, a Liga dos Campeões da Europa.

Felipe Melo havia dito que daria tapa na cara de uruguaio e acabou dando socos para se defender
Divulgação
Felipe Melo havia dito que daria tapa na cara de uruguaio e acabou dando socos para se defender

"Infelizmente tivemos de nos defender. Se o Felipe não se defende, Willian tomou soco na cara, Prass tá com a boca sangrando. Se a equipe de segurança do Palmeiras não está aqui, acontecia uma tragédia. Fizeram uma tocaia. Trancaram a porta. Cobrei a Conmebol para ter uma arbitragem boa. E teve uma boa arbitragem. Há um presidente que parece diferente de outros que tiveram problemas judiciais. Esperamos que haja punições. Fica nossa lamentação e nosso repúdio para Conmebol tomar providência. Isso acaba com nosso futebol sul-americano. A gente vê Liga dos Campeões e agora tem esse tipo de coisa", lamentou Alexandre Mattos.

    Leia tudo sobre: Futebol