Tamanho do texto

Suposto responsável por explosões teria planejado ataque para lucrar com queda de ações do clube; prisão de alemão com dupla cidadania Sergej W., de 28 anos, afasta relação entre o ataque e ações de grupos terroristas islâmicos

Segundo a polícia, autor de ataque a ônibus pretendia baixar valores das ações do Borussia para obter lucro milionário
Divulgação
Segundo a polícia, autor de ataque a ônibus pretendia baixar valores das ações do Borussia para obter lucro milionário

A polícia alemã anunciou nesta sexta-feira (21) a prisão de um suspeito de envolvimento no ataque contra o ônibus que transportava a equipe do Borrusia Dortmund , ocorrido há pouco mais de uma semana, antes da primeira partida contra o Mônaco pela Liga dos Campeões. 

Segundo as autoridades de Dortmund , o suspeito Sergej W. tem 28 anos de idade, possui dupla cidadania (alemã e russa) e agiu por motivos financeiros, portanto sem nenhuma ligação com terrorismo. A informação derruba as primeiras teorias de que o incidente teria relação com o extremismo islâmico. 

O agressor foi detido pela polícia na área de Tubinga, cidade no sudoeste da Alemanha, na região Baden-Wuerttemberg.

No mesmo dia do ataque, ocorrida na terça-feira passada (11), Sergej teria comprado um pacote de 15 mil opções ou direitos de venda de ações do Borussia, o único time alemão a ser cotado na Bolsa de Valores. O negócio foi fechado em 78 mil euros e tinha vencimento para o dia 17 de junho deste ano. A compra foi feita com um empréstimo realizado na semana anterior.

Se o valor destes títulos caíssem abruptamente, Sergej teria obtido benefício de 3,9 milhões de euros. Isso aconteceria porque ele aproveitaria a queda das ações para lucrar com a venda dos títulos no preço estabelecido quando ele comprou os direitos de venda.

Pela lógica do agressor, com graves ferimentos ou mortes dos jogadores provocadas pela explosão de uma bomba, as ações do Borussia deveriam cair.

O cidadão alemão-russo, que tinha conhecimentos de eletrônica e condições para construir bombas, deve ser acusado de tentativa de homicídio, de lesões corporais graves e de detonação de explosivos. A polícia alemã já estava procurando pelo homem há quase uma semana, quando os oficiais receberam uma denúncia do setor financeiro de uma possível lavagem de dinheiro de uma empresa bancária.

Leia também: "Foi o pior dia da minha vida", diz Bartra sobre atentado ao ônibus do Dortmund

Hotel

Segundo a imprensa local, desde o dia 9 de abril o suspeito estava hospedado no hotel que acomodou os jogadores do Dortmund.

O quarto estava reservado até o dia 13 e depois entre 16 e 20 do mesmo mês, períodos nos quais os atletas estariam se preparando para ir e voltar das partidas contra o Mônaco. O ônibus da equipe alemã estava indo em direção do estádio de Westfalenstadion quando três bombas explodiram perto dele, quebrando as janelas, que não eram blindadas, e ferindo o zagueiro Marc Barta, que no entanto, não corre risco de vida.

A partida entre o Dortmund e a equipe francesa acabou adiada para o dia seguinte, quando os alemães, visivelmente abalados, foram derrotados por 3 a 2 em seus domínios. Nesta semana, no jogo de volta, nova derrota dos alemães e o Borussia acabou eliminado da Liga dos Campeões.

Leia também: Semifinais da Liga dos Campeões terá novo confronto entre Real Madrid e Atlético

*Com informações e reportagem da Ansa