Tamanho do texto

Presidente do São Paulo lota evento de arrecadação de campanha, consolida alianças e atrai novos conselheiros; eleição acontece no mês de abril

Leco (centro) realizou um jantar para arrecadação de fundos para sua campanha
Arquivo pessoal
Leco (centro) realizou um jantar para arrecadação de fundos para sua campanha

A menos de um mês para as eleições do São Paulo, o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, deu uma demonstração da força da sua candidatura à reeleição. Na última segunda, a chapa de Leco realizou um jantar para arrecadação de fundos para a campanha e vendeu os cem convites disponíveis, a R$1 mil cada. O encontro contou com dezenas de conselheiros, apoiadores e simpatizantes ao presidente. Ele disputa o pleito com José Eduardo Mesquita Pimenta.

Leia também: Leco arruma o caixa do São Paulo, monta time de respeito e precisa ser reeleito

O presidente vem se encontrando regularmente com líderes dos principais partidos e já garantiu apoio de integrantes que vinham sendo cobiçados pela oposição, como Júlio Casares, Leonardo Serafim e Marco Aurélio Cunha. Roberto Natel, ex-candidato à Presidência do clube, fez uma composição com Leco e agora é vice na chapa da situação.

Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco, é atual presidente do São Paulo e busca a reeleição
Alex Falcão/Reprodução
Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco, é atual presidente do São Paulo e busca a reeleição

Desde o início da disputa, Leco já partiu com uma base sólida de apoios - além do grupo Pró São Paulo, liderado por José Roberto Canassa, tem os votos do grupo Legião, coordenado pelo jornalista Carlos Belmonte, do grupo Vanguarda, coordenado pelo empresário Harry Massis e do qual faz parte o candidato à presidência do Conselho Deliberativo, Marcelo Pupo. Na linha de frente da campanha estão figuras como o conselheiro vitalício Fernando Bracalle Ambrogi (grupo São Paulo Sempre), o desembargador José Carlos Ferreira Alves (grupo São paulinos) e o administrador de empresas Julio Conejero (grupo Nova Força).

Leia também: "Estava pronto para o desafio no São Paulo", diz presidente sobre Rogério Ceni

Respaldado pela recuperação financeira (a dívida, que chegou a ser de R$170 milhões em 2015, chegou a R$114 milhões em março, redução de mais de 30% em 16 meses) e pelo fortalecimento do time para a atual temporada, Leco é visto como favorito até mesmo pela oposição, mas descarta acomodação e continua trabalhando para garantir que as apostas se concretizem na segunda semana de abril, quando acontece a eleição.

Oposição patina

Se, de um lado, o presidente avança justamente no momento decisivo, a oposição patina em dúvidas e incertezas. Principal fiador e financiador da candidatura de Pimenta, Abilio Diniz virou uma grande incógnita após a BRF (dona das marcas Sadia e Perdigão e que tem o empresário como presidente do seu conselho de administração) ser atingida em cheio pela Operação Carne Fraca, que descobriu um esquema de funcionários do Ministério da Agricultura que teriam recebido propina para liberar carne para venda sem passar por fiscalização. Nos grampos, um fiscal do Ministério da Agricultura aparece numa tentativa de acionar Abílio para dar uma chance a seu neto em peneira no São Paulo.

Leia também: São Paulo quebra nada menos que 10 tabus com vitória sobre o Santos na Vila

José Roberto Pernomian Rodrigues, vice-presidente de Integridade Corporativa da BRF e homem de confiança de Abilio, é um dos alvos da operação. Sua presença na companhia já havia sido questionada, por uma condenação em outro caso, envolvendo a multinacional Cisco. Abilio bancou sua permanência, apesar da resistência do Conselho de Administração. A oposição de Leco patina.

    Leia tudo sobre: Futebol