Tamanho do texto

Empresa de suplementos usou as redes sociais no final de semana para afirmar que não era mais patrocinadora do time mineiro. Veja detalhes

A equipe do Boa Esporte , de Minas Gerais, que assinou por duas temporadas com o goleiro Bruno, perdeu um de seus patrocinadores neste final de semana. A empresa de suplementos alimentares e nutricionais que apoiava o time usou as redes sociais para informar que havia encerrado o contrato. 

Leia também: Segundo revista, Bruno carregava as chaves da própria cela na prisão

Goleiro Bruno posa com a camisa do Boa Esporte
Divulgação
Goleiro Bruno posa com a camisa do Boa Esporte


Desde o anúncio do negócio do time mineiro com o goleiro Bruno , a empresa recebia diversos comentários negativos em suas páginas oficiais nas redes sociais. "Boicote geral a essa empresa enquanto não se posicionarem contrários ao patrocínio a time que contrata assassino", disse um internauta no Instagram. 

No sábado (11), a empresa postou uma nota de esclarecimento para falar sobre a situação. No texto, afirma que é apenas fornecedora de suplmentos para a equipe e que não participa de nenhuma tomada de decisão por parte da presidência ou da diretoria do time. A nota ainda diz que eles não compactuam com a contratação de Bruno, mas que isso é, mais uma vez, uma decisão do Boa e do Poder Judiciário. 

A empresa diz que iria esperar até o próximo dia útil, segunda-feira (13), por um posicionamento do Boa. Entretanto, poucas horas depois, em mais uma nota nas redes sociais, eles afirmam que tiveram uma reunião extraordinária com a equipe e que a partir desta data não era mais "patrocinadora/apoiadora do Boa Esporte Clube". 

A post shared by Nutrends (@nutrendsnutrition) on


O caso Bruno

O jogador, em março de 2013, confessou que matou a ex-mulher, Eliza Samudio. Ele foi condenado por homicídio triplamente qualificado - por motivo torpe, usar meio cruel e também usar meio que dificultou a defesa da mulher -, sequestro, cárcere privado e ocultação de cadáver a uma pena de 22 anos e três meses de prisão. O crime foi cometido em 2010.


A pena deveria ser cumprida grande parte em regine fechado - 17 anos e seis meses - entretanto no dia 24 de fevereiro deste ano, o ministro do STF Marco Aurélio Mello concedeu habeas corpus  ao atleta. 

O goleiro Bruno chegou a negociar a volta ao futebol com alguns clubes e assinou com o Boa Esporte na semana passada. Desde o acerto, o time tem sido alvo de uma enxurrada de comentários negativos  nas redes sociais. Em muitos, internautas questionam como a equipe pode contratar um assassino. 

    Leia tudo sobre: futebol