Tamanho do texto

Marcelo Maciel, o Marcelinho, é integrante da própria torcida organizada e teria ligações com o PCC

Moacir Bianchi foi um dos fundadores da Mancha Verde e chegou a presidir a organizada
ARQUIVO PESSOAL / FACEBOOK
Moacir Bianchi foi um dos fundadores da Mancha Verde e chegou a presidir a organizada

A Polícia Civil já tem o nome do primeiro suspeito de ter participado do assassinato de Moacir Bianchi , de 48 anos de idade, um dos fundadores da torcida palmeirense Mancha Verde - atualmente rebatizada de Mancha Alviverde. Trata-se de Marcelo Jony Maciel, o Marcelinho, um integrante da própria organizada e que seria membro de uma facção criminosa, muito provavelmente o PCC.

Segundo reportagem do SBT, Marcelinho discutiu feio com Bianchi em uma reunião da cúpula da torcida Mancha Verde , na quarta-feira, horas antes da emboscada na zona sudoeste de São Paulo onde o corpo da vítima foi encontrado com, pelo menos, 22 marcas de tiro. 

Marcelinho é um dos suspeitos de matar Moacir Bianchi, segundo a polícia
SBT / Reprodução
Marcelinho é um dos suspeitos de matar Moacir Bianchi, segundo a polícia

O crime aconteceu na Avenida Presidente Wilson, próximo à Rua dos Patriotas, no bairro do Ipiranga. Bianchi, que também já foi presidente da torcida e que era dirigente, estava em um Honda City preto e foi alvejado no interior do veículo, morrendo no local. 

Leia também: Corpo do fundador da Mancha assassinado é enterrado em clima de tensão

A morte de um dos seus fundadores abalou a atual diretoria da Mancha, que soltou um comunicado oficial informando o fim das suas atividades por tempo indeterminado. Dois dias depois, no entanto, a torcida voltou atrás . Uma publicação no Facebook oficial informou que o momento é de "reestruturação, e tambem em respeito ao luto pela morte do nosso fundador e ex - presidente Moacir Bianchi" e que as atividades ficarão suspensas "nos próximos dias".

Confira o vídeo da emboscada:

Histórico de violência

Segundo a Polícia Militar e o Ministério Público de São Paulo, Moacir Bianchi participou ativamente da maior briga de torcidas da história de São Paulo e uma das maiores do Brasil, em 1995, quando membros de organizadas de Palmeiras e São Paulo se enfrentaram no Pacaembu depois de um jogo da Supercopa SP de Juniores.

Depois desse conflito, a Mancha Verde foi extinta por ordem judicial. Mas, na prática, ela só mudou de nome, já que ressurgiu como uma outra torcida, a Mancha Alviverde, com novos dirigentes, mas com os mesmos integrantes.