Tamanho do texto

Goleiro foi solto após conseguir um habeas corpus e disse que não mudaria nada do que fez. Ele disse também que pretende trabalhar com futebol

Goleiro Bruno concedeu entrevista à TV Globo um dia depois de ser solto
Reprodução / TV Globo
Goleiro Bruno concedeu entrevista à TV Globo um dia depois de ser solto

Um dia depois de ser libertado da Apac (Associação de Proteção e Assistência ao Condenado) de Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, o goleiro Bruno concedeu uma entrevista à TV Globo neste sábado. Na conversa, ele declarou que não apagaria nada do que aconteceu no caso do assassinato de Eliza Samudio, em 2010, disse que planeja trabalhar com futebol e discordou da prisão perpétua.

Leia também: Agora em liberdade, goleiro Bruno carregava as chaves da própria cela na prisão

"Independente do tempo que eu fiquei, eu queria deixar bem claro, se eu ficasse lá, tivesse prisão perpétua, por exemplo, no Brasil, não ia trazer a vítima de volta. Paguei. Paguei caro, não foi fácil. Não apagaria nada, serve como experiência, como aprendizado, não como punição", afirmou Bruno .

Goleiro Bruno deixou a prisão ao lado da esposa
Twitter/Reprodução
Goleiro Bruno deixou a prisão ao lado da esposa

"Quero deixar claro que vou recomeçar. Não importa se no futebol ou outra área profissional, mas eu almejo estar no meio do futebol", completou o goleiro de 32 anos de idade, que já teria recebido algumas propostas para voltar aos gramados.

Leia também: Bruno chora de alegria com liberdade e já tem propostas para voltar ao futebol

"Ele quer voltar a jogar futebol. Está com 30 e poucos anos e vai trabalhar para isso. Ele já tem propostas de fora de Minas", disse Lúcio Adolfo, advogado do atleta, antes mesmo de ele ser solto na noite de sexta-feira. 

O caso Eliza Samudio

Eliza Samudio morreu em 2010
Arquivo iG
Eliza Samudio morreu em 2010

O ex-jogador de Flamengo, Corinthians e Atlético-MG foi condenado pela Justiça mineira, em março de 2013, a 22 anos e 3 meses de reclusão, sendo 17 anos e 6 meses em regime fechado por homicídio triplamente qualificado — por motivo torpe, asfixia e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima — , a outros 3 anos e 3 meses em regime aberto por sequestro e cárcere privado e ainda a mais 1 ano e 6 meses por ocultação de cadáver.

Leia também: Veja o motivo pelo qual o STF condeceu liberdade a Bruno

A pena foi aumentada porque o goleiro Bruno foi considerado o mandante do crime, e reduzida pela confissão do jogador. Ele cumpriu pouco menos de 7 anos. Eliza desapareceu em 2010 e seu corpo nunca foi achado. Ela tinha 25 anos e era mãe do filho recém-nascido do atleta, de quem foi amante. Na época, ele era titular do Flamengo e não reconhecia a paternidade.