Tamanho do texto

Fãs do Western Sydney Wanderers, da Austrália, brigaram com a polícia e terão que ficar 18 meses longe dos jogos do time

Torcida do Western Sydney Wanderers atacou o técnico Graham Arnold com uma faixa homofóbica
Reprodução
Torcida do Western Sydney Wanderers atacou o técnico Graham Arnold com uma faixa homofóbica

Aconteceu lá na Austrália, em jogo válido pela 20ª rodada do campeonato nacional. Torcedores do Western Sydney Wanderers que estavam nas arquibancadas abriram uma faixa obscena com uma imagem do técnico do Sydney FC, Graham Arnold, fazendo sexo oral. A brincadeira de mau gosto acabou causando muita confusão.

LEIA MAIS: Dirigente ofende jogador alvo de racismo: "Volte ao Brasil com seu dedo escuro"

Ainda dentro do ANZ Stadium, palco que recebeu o clássico de Sydney, alguns membros da torcida do Wanderers entraram em confronto violento com policiais locais, sendo que 14 deles foram detidos. E mais do que isso. Essas pessoas que atacaram o técnico do time rival acabaram sendo suspensas por 18 meses dos jogos do seu clube e ainda precisarão cumprir uma punição alternativa de inclusão social.

Graham Arnold, técnico do Sydney FC
Divulgação
Graham Arnold, técnico do Sydney FC

Essa medida foi tomada pelo próprio Western Sydney Wanderers.

LEIA MAIS: Ex-jogador conta como perdeu US$ 14 milhões: "Cavalos lentos, mulheres rápidas"

A Federação Australiana de Futebol ainda estuda uma possível sanção ao Wanderers, como multa ou até perda de pontos na tabela de classificação. O time é apenas o sexto colocado na competição com 24 pontos, mesmo com a vitória por 1 a 0 no jogo em questão, enquanto o Sydney lidera com 47, oito à frente do vice-líder Melbourne Victory.

Diante de toda polêmica, Graham Arnold preferiu colocar panos quentes no assunto. "Se isso me irrita? Nem um pouco. Eu tenho uma casca grossa. E eu já sofri coisa pior no futebol ", disse o treinador de 53 anos de idade e que está desde maio de 2014 no comando do Sydney FC.

Caso de Homofobia 

Alguns grupos LGBT da Austrália também se manifestaram sobre o assunto e trataram o caso como homofobia. "É homofóbico e obsceno", disse Chris Pycroft, diretor de um grupo pró-homossexuais no país. "Acho que qualquer pessoa que tenha visto essa faixa provavelmente se sentiu muito desconfortável, especialmente para um lugar que preza por ser um ambiente familiar", completou.

LEIA MAIS: Medalhista de ouro no Rio 2016 é alvo de ameaças sexuais no Facebook

Já o presidente do Wanderers, John Tsatsimas, descartou fazer um pedido de desculpas ao técnico adversário. E explicou: "Não vamos nos desculpar por esse comportamento da torcida. Não foi um funcionário do nosso clube ou um jogador que fez isso. Não assumiremos a responsabilidade pelas más ações de vagabundos como esses", disse o dirigente.

    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.