Tamanho do texto

Mauro Icardi, capitão da Inter de Milão, ameaçou chamar criminosos da Argentina para matar torcedores organizados italianos em biografia

O argentino Mauro Icardi pode pagar multa de R$ 43 mil por falas contra torcedores organizados em sua biografia
Divulgação
O argentino Mauro Icardi pode pagar multa de R$ 43 mil por falas contra torcedores organizados em sua biografia

O argentino capitão da Inter de Milão, Mauro Icardi, poderá pagar uma multa de 13,5 mil euros (aproximadamente R$ 43 mil, na cotação atual) por incentivar agressões contra torcedores em um trecho de sua polêmica biografia, publicada em outubro do ano passado.

LEIA MAIS: Ex-jogador do Uruguai conta como perdeu US$ 14 milhões: "Cavalos lentos, mulheres rápidas"

Segundo fontes contaram à agências internacionais, o atacante argentino concordou com uma sanção pecuniária em uma audiência com a Procuradoria da Federação Italiana de Futebol (Figc) e a medida não teve oposição do presidente da entidade, Carlo Tavecchio. Já a Inter de Milão terá que pagar uma multa de 6,5 mil euros (R$ 21 mil)

No texto, Icardi dizia que, por causa das constantes críticas dos ultras - como são conhecidos os torcedores organizados italianos - iria chamar "criminosos da Argentina para matá-los".

LEIA MAIS: Zenit, da Rússia, brinca com goleiro que comeu durante jogo: "Somos mais liberais"

Na época da divulgação do livro, a citação causou confusão e protesto por parte da torcida contra o capitão do time e problemas internos na equipe de Milão. Por causa disso, a biografia foi reimpressa sem a polêmica fala.

No entanto, a Procuradoria da Federação Italiana de Futebol abriu uma investigação contra o jogador por ter "feito referência em sua autobiografia de fatos ligados à conduta violenta e expressões injuriosas, ofensivas e deseducativas constituindo um incitamento à violência".

LEIA MAIS: Lamentável! Dirigente sérvia ofende jogador brasileiro alvo de racismo: "Volte ao Brasil com seu dedo escuro" 

Carreira

Aos 24 anos, Mauro Icardi nasceu em Rosário, na Argentina, e tem nacionalidade italiana. Jogou nas categorias de base do Barcelona e da Sampdoria. Em 2012, subiu para o profissional da equipe de Gênova, onde permaneceu até 2013. O atacante argentino então foi contratado pela Internazionale em 2013. Chegou a ser convocado algumas vezes para defender a seleção argentina.

Apesar de  nunca ter sido artilheiro da temporada 2014/2015 do Campeonato Italiano, com 22 gols, o argentino nunca conquistou um título com a equipe Nerazzurro. Ainda assim, foi eleito pelos jornais "The Guardian", da Inglaterra, e "Marca" da Espanha como o 49º melhor jogador do ano de 2016. * Com informações da agência Ansa

    Leia tudo sobre: futebol